A PESQUISA ETNOGRÁFICA NO ARQUIVO PESSOAL DE NELSON COELHO DE SENNA

Maristela Costa Martiniano, Rubens Alves Silva

Resumo


A pesquisa etnográfica em arquivos documentais vem se tornando uma prática cada vez mais utilizada para geração de questionamentos sociais que amplificam o escopo de estudos em torno da temática arquivo- sociedade. Neste estudo, o objetivo é apresentar o trabalho etnográfico nas pesquisas desenvolvidas no arquivo pessoal de Nelson Coelho de Senna, parte integrante do acervo do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte, inspirando a abordagem qualitativa da pesquisa. Inclui-se neste trabalho a entrevista, descrições e análise de linguagem. A etnografia nesse sentido estabelece a ligação entre o produtor do arquivo e o momento social que o levou a pesquisar o tema africanismo. A coleta de dados foi realizada nas instituições onde Nelson de Senna teve papel relevante e no Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte. Como resultado foram obtidos uma breve biografia do produtor, a história de aquisição de seu arquivo pessoal, apoiada por entrevistas e a discussão sobre ao africanismo na obra do autor. 


Palavras-chave


Arquivo pessoal. Etnografia. Africanismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. Tradução José Fonseca; consultoria, supervisão e revisão desta edição Bernardo Lewgoy. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.

ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE (MG). Inventário do arquivo pessoal de Nelson Coelho de Senna (1876-1952). Belo Horizonte: APCBH, 2000.

BELLOTTO, Heloisa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BRASIL. Decreto nº 4.073, de 3 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados.

_______. Lei nº 8.159, de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 09 jan. 1991.

________. Resolução nº 17, de julho de 2003. Dispõe sobre os procedimentos relativos à declaração de interesse público social de arquivos privados de pessoas físicas ou jurídicas que contenham documentos relevantes para a história, a cultura e o desenvolvimento nacional.

COOK, T. Arquivos pessoais e arquivos institucionais: para um entendimento arquivístico comum da formação da memória em um mundo pós-moderno. Revista Estudos Históricos. v.1, n.21, 1998.

FREHSE, Fraya. Os informantes que jornais e fotografias revelam: para uma etnografia da civilidade nas ruas do passado. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.36. jul.-dez. pp.131-136, 2005.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1989.

HEYMANN, Luciana Quillet. Arquivos pessoais em perspectiva etnográfica. In: TRAVANCAS, Isabel; ROUCHOU, Joelle; HEYMANN, Luciana (Orgs.). Arquivos Pessoais: Reflexões Multidisciplinares e Experiências de Pesquisa. Rio de Janeiro. Editora FGV, 2013.

JARDIM, José Maria; Maria Odila (Org.). A produção de conhecimento arquivístico: perspectivas internacionais e o caso brasileiro (1990-1995). In: A formação do arquivista no Brasil. Niterói: Eduff, 1999.

MALINOWSKI, Bronislaw. Um diário no sentido estrito do termo. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1997.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nem preto nem branco muito pelo contrário. Cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro enigma, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Todos os originais publicados no Periódico Archeion Onlline estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons 3.0 Brasil (obrigatoriedade de atribuição de créditos/vedado uso comercial/vedada criação de obras derivadas/permitida citação referenciada).