A formação humana e a incapacidade de pensar: considerações sobre o problema do mal em Hannah Arendt

Marcos Alexandre Alves, Diego Carlos Zanella, Isis Moraes Zanardi

Resumo


Este artigo pretende apresentar o tema da formação humana conectado à incapacidade de pensar, tecendo considerações sobre o problema do mal no pensamento de Hannah Arendt. A autora é conhecida como pensadora da política que concentrou atenção especial ao problema do mal que assolou o mundo na primeira metade do século XX. A partir da análise de Origens do Totalitarismo, de 1951, e de Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal, de 1963, pretende-se refletir acerca dos mecanismos que produzem o adormecimento da capacidade de pensar frente à necessidade da formação humana. A partir dessa análise, se perceberá que o problema do mal assume um viés radical, uma possibilidade de destruição completa do humano. Na análise do caso Eichmann, Arendt percebeu que o réu agia banalmente, manifestando sua incapacidade de pensar, o que tornou possível a normalização da insensibilidade frente o diferente. Portanto, a banalidade do mal implica na incapacidade de pensar, uma ameaça sempre constante à formação humana

 


Palavras-chave


Mal banal; Formação humana; Humanidades; Hannah Arendt

Texto completo:

PDF

Referências


ALLISON, Henry E. Refletions on the Banality of (Radical) Evil: A Kantian Analysis. In: ALLISON, Henry E. Idealism and Freedom. Essays on Kant’s Theoretical and Practical Philosophy. Cambridge University Press, 1996. p. 169-182.

ARENDT, Hannah. A dignidade da política. Trad. Helena Martins. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993

ARENDT, Hannah. Correspondência entre Grafion-Arendt, 19.09.63. Hannah Arend’s Papers, Manuscript Division, Library of Congress.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Trad. de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Rio de Janeiro, RJ: Companhia das Letras, 2003.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. São Paulo Companhia das Letras, 2004.

ARENDT, Hannah. Some questions of moral philosophy. In: Social Research. Vol. 61; No. 4. 1994. p. 739-764.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. Antônio Abranches et al. Rio de Janeiro: Relume- Dumará, 1991.

ARENDT, Hannah. Compreender: formação, exílio e totalitarismo. Trad. Denise Bottman; São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

ARENDT, Hannah. Essays in Understanding: Formation, Exile and Totalitarianism: 1930-1945 Nova York: Schocken Books, 1994.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Trad. de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ASSY, Bethânia. Eichmann, Banalidade do Mal e Pensamento em Hannah Arendt. In.: BIGNOTTO, Newton; MORAES, Eduardo Jardim de (Orgs.). Hannah Arendt: diálogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

CORREIA, Adriano. Arendt e Kant: banalidade do mal e mal radical. Argumentos. Ano 5, n. 9, 2013. p. 63-78.

CORREIA, Adriano. O conceito de Mal radical. Trans/Form/Ação. Vol. 2, No. 28, 2005. p. 83-94.

GIACÓIA JR, Oswaldo. Mal radical e mal banal. O que nos faz pensar. n. 29. Maio 2011, p. 137-169.

HOBSBAWM, Eric J. A era dos Impérios. Trad. de Sieni Maria Campos e Yolanda Steidel de Toledo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

KANT, Emmanuel. A religião nos limites da simples razão. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

KANT, Emmanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2004.

KANT, Emmanuel. Religion within the Boundaries of Mere Reason and other writings. USA, New York: Cambridge University Press, 1998.

LAFER, Celso. Hannah Arendt: pensamento, persuasão e poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948.

ROSENFIELD, Denis L. Retratos do Mal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SCHIO, Sônia. Hannah Arendt: história e liberdade: da ação à reflexão. 2 ed. Porto Alegre, RS: Clarinete, 2012.

SOUKI, Nádia. Hannah Arendt e a banalidade do mal. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

VICENTE, José João Neves Barbosa. Hannah Arendt: antissemitismo, imperialismo e totalitarismo. In: Ensaios Filosóficos. Vol. 6, 2012. p. 144-155.

YOUNG-BRUEHL, Elisabeth. Hannah Arendt. For Love of the World. New Haven: Yale University Press, 1982.




DOI: https://doi.org/10.18012/arf.2016.33701



e-ISSN 2318-9428
p-ISSN 2358-8470

Facebook Follow us on Twitter ResearchGate

© 2014 Aufklärung, doi:10.18012/ARF, e-ISSN 2318-9428, p-ISSN 2358-8470 | revistaaufklarung@hotmail.com | João Pessoa-PB-Brasil | CC BY Attribution 4.0 International


Principais Indexadores / Bases de Indexação

Sistema de Información Científica Redalyc Filiada ao CrossRefThe Philosopher's Index Portal de Periódicos da CAPES  DOAJLATINDEXERIHPLUS ::  Norwegian Social Science Data Services (NSD)Filiada ao CrossRefABEC - Revista filiada à ABECInstituto Brasileiro de Informação em Ciência e TecnologiaiThenticate: Prevent Plagiarism in Published Works Publisher copyright policies & self-archiving WorldCat Social Science Open Access Repository Elektronische Zeitschriftenbibliothek   PortalUFPB

indexing and abstracting