Práticas econômicas e sociais no sertão cearense no século XIX: um olhar sobre a cultura material de grupos domésticos sertanejos

Luís Cláudio P. Symanski

Resumo


Pesquisas em duas unidades domésticas camponesas
oitocentistas do sertão do Cariri/CE forneceram informações sobre as práticas econômicas e sociais da população sertaneja dessa região. Utilizando uma estrutura conceitual da antropologia econômica, focalizada na noção de artefatos como commodities (Orser 1992), a variabilidade artefatual desses sítios foi abordada como indicativa de relações sociais em diferentes esferas de interação, indo da escala local,
referente às relações sociais intra-grupos, à escala internacional, referente ao papel dos itens importados nessas comunidades. Verificou-se, assim, que a lógica econômica dessas comunidades foi predominantemente não-capitalista,
sendo típica daquelas sociedades caracterizadas por Dumont (1977) como intrínsecas. Por sua vez, a análise diacrônica revelou uma notável manutenção dos padrões de vida material desses grupos, indicativa de que a estrutura social hierárquica da região manteve-se inalterada por todo o século XIX.

Texto completo:

PDF


.......................................................................................................................................................... Revista de Arqueologia da Sociedade de Arqueologia Brasileira