CURRÍCULO E RESISTÊNCIA: horizontes para uma ecologia de saberes

Ana Elisa de Castro Freitas, Lúcia Maria Gonçalves de Resende

Resumo


O presente artigo registra uma proposta curricular inovadora, desenvolvida no Setor Litoral da Universidade Federal do Paraná. Ancorada em um projeto político-pedagógico que busca superar concepções dominantes no âmbito das políticas curriculares, esta proposta investe na redefinição dos espaços pedagógicos, potencializando fluxos de saberes, poderes e identidades. Organizado em três fases/tempos articulados a três eixos/espaços, o desenho curricular assume uma forma tridimensional e modular. Seus espaços potencializam a cultura do trabalho coletivo e integrado em práticas inter e multidisciplinares, oportunizando movimentos de resistência à racionalidade instrumental do currículo normativo-prescritivo, dominante nas instituições de ensino superior brasileiras. Para além das competências profissionais, a formação é plena de potência humanizadora e emancipatória, alinhando-se com a proposta de uma ecologia de saberes. As relações de produção e circulação de saberes são socializadas. Neste sentido, o currículo tridimensional representa uma importante ruptura com a racionalidade formalmente unidimensional, linear e progressiva, inspiradora da formação universitária ocidental, que fragmenta e distancia os campos de saberes científicos, alienando os sujeitos dos processos e meios de produção, aquisição e circulação de conhecimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A terra e os devaneios do repouso: ensaio sobre as imagens da intimidade. Tradução de Paulo Neves da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1990. p. 256

BALL, S. Performatividade, privatização e o pós-Estado do bem-estar. Educação & Sociedade, Campinas, CEDES-Unicamp, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n89/22613.pdf. Acesso em: 10/07, 2016.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. p.315

COUTO, Lígia Paula. A pedagogia universitária nas propostas inovadoras de universidades brasileiras: por uma cultura da docência e construção de identidade docente. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: USP, 2013. p. 188

DEMO. Pedro. Desafios modernos da educação. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 272

DOSTOIÉVSKI. Fiódor. Os irmãos Karamázov. (2 vols). Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2008. p. 1040

FAGUNDES, Mauríco Cesar Vitória. Universidade e Projeto Politico-Pedagógico: diálogos possíveis fomentando formações emancipatórias. Tese de Doutorado em Educação. São Leopoldo: UNISINOS, 2009. p. 235

FRANCO, Elize Keller. Currículo por projetos: inovação do ensinar e aprender na educação superior. Dissertação de Mestrado em Educação. São Paulo: PUCSP, 2008. p. 202

______. Movimentos de mudança: um estudo de caso sobre inovação curricular em cursos de Licenciatura da UFPR Litoral. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: PUCSP, 2014. p. 195

FREITAS, Ana Elisa de Castro; HARDER, Eduardo. Entre a equidade e a assimetria de poder: uma análise da implementação de políticas afirmativas de educação superior indígena no Brasil. Século XXI - Revista de Ciências Sociais, v. 3, n. 1, p. 62-87, jan/jun. 2013. Disponível em: periodicos.ufsm.br/seculoxxi/article/download/11221/pdf. Acesso em: 10/07, 2016.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. A Reforma Universitária no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade, Campinas, CEDES - Unicamp, ano XX, n. 68, p. 17 - 44, dez/1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a02v2068.pdf Acesso em: 10/07, 2016.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Tradução de Maria Cristina Bittencourt. 15ª. ed. Campinas: Papirus, 2004. p. 56

HABERMAS, Jűrgen. Consciência Moral e Agir Comunicativo. Tradução de Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989. p. 236

HARDER, Eduardo e FREITAS, Ana Elisa de Castro. Envelhecer na invisibilidade: tempo e narrativa na Ponta Oeste da Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Iluminuras, Porto Alegre, UFRGS, v. 16, n. 40, p. 238-259, ago/dez, 2015. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/61251/36172. Acesso em: 10/07, 2016.

JOUCOSKI, Emerson. Desenvolvimento profissional e inovação curricular na licenciatura em ciências da UFPR litoral. Tese de Doutorado em Ensino de Ciências. São Paulo: USP, 2015. p. 348

PERRENOUD, Pierre. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: ARTMED, 2000. p. 192

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Ecologia de Saberes. In: ______. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2ª. ed. São Paulo: Cortez, 2008, p. 136-165.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 154

UFPR LITORAL. Projeto Político-Pedagógico. Matinhos, 2008. Disponível em: http://www.litoral.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2015/02/PPP-UFPR-LITORAL_Set-2008_Alteracao_Dez-2008.pdf. Acesso em: 10/07, 2016.

VAILLANT, Denise e GARCIA, Marcelo. Quién educará a los educadores? Montevidéo: ANEP/AECI, 1999.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro; RESENDE, Lúcia Maria Gonçalves de; FONSECA, Marília. Aula universitária e inovação. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; CASTANHO, Maria Eugênia L. M. (Orgs.). Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas: Papirus, 2000. p.161-191.




DOI: https://doi.org/10.15687/rec.v9i2.29928

Incluir comentário

Direitos autorais 2016 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.







Este periódico está indexado nas bases: