AVALIAÇÃO IN VITRO DO POTENCIAL ANTIBACTERIANO DE CIMENTOS DE IONÔMERICOS DE VIDRO

Dened Myller Barros Lima, Ricardo Dias de Castro, Irlan de Almeida Freires, Danilo Augusto de Holanda Ferreira

Resumo


Objetivo: Avaliar in vitro a atividade antibacteriana de Cimentos de Ionômeros de Vidro (CIV) convencionais sobre as cepas de Streptococcus salivarius (ATCC 7073), Streptococcus oralis (ATCC 10557) e Lactobacillus casei (ATCC 7469). Material e Métodos: Manipularam-se os CIVs: G1: Vitro Fil® (DFL); G2: Vidrion R® (SSWhite) e G3: Magic Glass® (Vigodent), para preparar 6 corpos-de-prova de cada material, com 6mm de diâmetro por 3mm de altura, utilizando tubetes anestésicos. A análise antimicrobiana foi realizada pela técnica da difusão em Ágar Sangue. As placas foram semeadas pelo inoculo à 108 UFC/mL, e os corpos-de-prova foram inseridos no meio de cultura em poços de 6mm de diâmetro. Cada placa bacteriana recebeu 1 corpos-de-prova de cada grupo e foram incubadas em estufa bacteriológica a 37º por 24 horas, para posterior mensuração dos halos de inibição. Resultados: Os dados foram submetidos aos testes estatísticos ANOVA e Tukey (α=5%). Na placa de S. salivarius, as médias dos halos foram para G1 e G3: 11,5mm e G2: 13,5mm, não apresentando diferenças estatisticamente significantes (p>0,05). Já para S. oralis, apenas o G3 obteve ação, com média de halos em 13mm. Frente ao L. casei, nenhum CIV provocou inibição bacteriana. Conclusão: Os resultados demonstraram que as cepas apresentaram diferente sensibilidade sobre os ionômeros testados, tendo o Magic Glass® os maiores halos de inibição de crescimento.

Texto completo:

PDF