O gerenciamento de risco no ciclo da curadoria digital

  • Aureliana Lopes de Lacerda Tavares Universidade Federal de Pernambuco
  • Sandra de Albuquerque Siebra Universidade Federal de Pernambuco
  • Marcos Galindo Lima Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Curadoria Digital. Gestão de Risco. Preservação Digital. Objeto digital.

Resumo

No contexto das Humanidades Digitais, a curadoria de objetos digitais durante todo seu ciclo de vida é um compromisso exigido a todos os profissionais que lidam/trabalham com acervos de relevância documental, memorial, histórica social e/ou cultural. Pois, o acesso contínuo aos objetos digitais e sua gestão e preservação tornam-se cada vez mais urgentes. Nessa perspectiva, a Gestão de Risco surge como uma forma de proteger os acervos digitais de ameaças e vulnerabilidades, próprias dos sistemas de armazenamento e acesso a informação digital. Dessa forma, o presente artigo busca explorar a literatura publicada sobre Gestão de Risco, com foco na preservação digital, a fim de identificar os riscos mapeados e as medidas de controle indicadas, buscando refletir sobre esses processos no contexto do ciclo de vida da curadoria digital. A pesquisa é de natureza exploratória e foi delineada através de um levantamento bibliográfico realizado em bases de dados nacionais e internacionais através da ferramenta de busca Google Schoolar. Os resultados trazem reflexões acerca dos riscos, ameaças, falhas e vulnerabilidades que incidem sobre os estoques de informação digital e como estes vêm sendo tratados e/ou controlados por meio da aplicabilidade de ferramentas da Gestão de Risco em repositórios digitais. Urge nesse sentido, pensar a inclusão dessas ferramentas no ciclo da Curadoria Digital, como uma das etapas de gerenciamento do objeto digital. Assim, propõe-se que a Gestão De Risco possa ser incorporada ao ciclo de curadoria digital nas ações que permeiam todo o ciclo de vida do objeto digital, sendo considerada uma atividade contínua de gerenciamento.

Biografia do Autor

Aureliana Lopes de Lacerda Tavares, Universidade Federal de Pernambuco
Mestre em Ciência da Informação, pelo Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Foi professora substituta no Departamento de música da UFPE entre 2014 e 2016, atualmente é professora Assistente do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco.
Sandra de Albuquerque Siebra, Universidade Federal de Pernambuco
Professora adjunta da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), lotada no Departamento de Ciência da Informação (DCI). É professora do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação e pesquisadora do Laboratório LIBER/UFPE. Atua também como colaboradora nos projetos de educação à distância do Instituto Aggeu Magalhães/Fiocruz, no papel de design instrucional e coordenadora de produção de conteúdos didáticos. Tem interesse, principalmente, nos seguintes temas: Curadoria Digital, Preservação Digital, Repositórios Digitais, Arquitetura da Informação, Interação Humano-Computador, Design Instrucional, Educação a Distância, Objetos Culturais e Aprendizagem Colaborativa.
Marcos Galindo Lima, Universidade Federal de Pernambuco
É Professor do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco e do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Coordenador científico do Laboratório de Tecnologia do Conhecimento - Liber onde desenvolve os projetos Rede Memorial de Pernambuco e Preservação da memória digital: um panorama brasileiro. Áreas de Interesse: Teoria da Informação, Memória e Uso de tecnologia em sistemas memoriais. Atualmente é Coordenador de Memória Digital da Pró-Reitoria de Comunicação da UFPE. 

Referências

ABBOT, Daisy. What is digital curation? Digital Curation Centre, 2008. Disponível em: <http://www.era.lib.ed.ac.uk/bitstream/1842/3362/3/Abbott%20What%20 is%20digital%20curation_%20_%20Digital%20 Curation%20Centre.doc>. Acesso em: 02 Jun. 2019

AGUIAR, Laís Alencar de. Metodologias de análise e riscos APP e Hazop. Rio de Janeiro, 2006?. Disponível em: <http://professor.ucg.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/13179/material/APP_e_HAZOP.pdf >. Acesso em: 20 fev. 2019.

BAIRRÃO, Raquel; PRADIANTE, Nuno; VIEIRA, Ricardo; BORBINHA, José. How can Risk Assessment techniques be used to estimate Costs for Digital Curation? In: VAQUINHAS, Nelson; CAIXAS, Marisa; VINAGRE, Helena. Da produção à preservação informacional: desafios e oportunidades. Évora: Publicações do Cidehus, 2017. Parte III Preservação Digital. p. 551-567. Disponível em: https://books.openedition.org/cidehus/2846. Acesso em: 20 fev. 2019.

BAKER, Mary; SHAH, Mehul; ROSENTHAL, David S. H.; ROUSSOPOULOS, Mema; MANIATIS, Petros; GIULI, TJ; BUNGALE, P.rashanth A fresh look at the reliability of long-term digital storage. 1 st EuroSys Conference. Leuven, Belgium, 2006.

BARATEIRO, José.; ANTUNES, Gonçalo; FREITAS, Filipe; BORBINHA, José. Designing Digital Preservation Solutions: A Risk Management-Based Approach. The International Journal of Digital Curation, n. 1, v. 5, 2010. Disponível em: http://repositorio.lnec.pt:8080/bitstream/123456789/1001078/1/205.pdf. Acesso em 13 fev. 2019.

BERNSTEIN, Peter L. Desafio aos Deuses: a fascinante história do risco. Rio de Janeiro: Campus, 1997

GALINDO, Marcos; LIMA, Arabelly Karla Ascoli . Núcleo de Curadoria Digital da UFPE: modelo de preservação da memória digital. In: XIX CONIC; III CONITI; VII JOIC. Recife, 2011.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LAWRENCE, Gregory W.; KEHOE, William. R.; RIEGER, Oya Y.; WALTERS, William. H.; KENNEY, Anne R. Risk Management of Digital Information: A File Format Investigation, 2000, ISBN 1-887334-78-5. Disponível em: <http://www.clir.org/pubs/reports/pub93>. Acesso em: 23 fev. 2019.

NBR ISO 31000:2018. Gestão de Risco: diretrizes. Disponível em: <https://iso31000.net/norma-iso-31000-de-gestao-de-riscos/>. Acesso em: 15 fev. 2019.

SANTOS, Thayse Natália Cantanhede. Curadoria Digital e Preservação Digital: Cruzamentos Conceituais. Rev. Digit.Bibliotecon. Cienc. Inf. Campinas, SP, v.14, n.3, p.450-464, set/dez. 2016. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8646336>. Acesso em: 12 fev. 2019.

PINTO, Maria Manuela. Preservmap: um roteiro da preservação na era digital. Porto: Edições Afrontamento, 2009.

ROSENTHAL, David S. H.; ROBERTSON, Thomas; LIPKIS, Tom; REICH, Vicky; MORABITO, Seth. Requirements for digital preservation systems: a bottom-up approach. D-Lib Magazine, v. 11, n. 11, 2005. Disponível em: <http://www.dlib.org/dlib/november05/rosenthal/11rosenthal.html>. Acesso em: 22 fev. 2019.

RIBEIRO, Fanny do Couto Análise de Risco: uma metodologia a serviço da preservação digital. 2011. Dissertação. (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PPGCI/UFPE, 2012. 285p.

TAVARES, Aureliana Lopes de Lacerda. Análise de Risco e Preservação Digital: uma abordagem sistêmica na rede memorial Pernambuco. 2014. Dissertação. (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

Publicado
2019-07-25
Seção
Artigos de Revisão