MULHERES OFICIAIS E GRADUADAS NA BASE AÉREA DE CANOAS/RS: UM ESTUDO DE MEMÓRIA SOCIAL

Autores

  • Felipe Biasus
  • Lucas Graeff Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais Centro Universitário La Salle
  • Paula Pinhal de Carlos Programa de Pós-Graduação em Direito Centro Universitário La Salle (UNILASALLE)

Palavras-chave:

memória social. gênero. instituições militares. Força Aérea Brasileira.

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa sobre experiências de vida e de trabalho de mulheres militares lotadas na Base Aérea de Canoas, no Rio Grande do Sul, Brasil. Aborda-se as escolhas de carreira e as diferenças de gênero relatadas ou evocadas por seis mulheres oficiais e graduadas sob a perspectiva interdisciplinar dos estudos em memória social. Os depoimentos das entrevistadas indicam que as escolhas de carreira são marcadas pela socialização primária (família) e que a formação militar se volta para uma anulação das diferenças de gênero - e não para o reconhecimento dessas diferenças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Biasus

Mestre em Memória Social e Bens Culturais (Unilasalle).

Lucas Graeff, Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais Centro Universitário La Salle

Bacharel em Administração de Empresas (PUCRS, 2002) e Psicologia (UFRGS, 2004). Mestre em Antropologia Social (UFRGS, 2006). Doutor em Etnologia e Sociologia Comparada (Université Rene Descartes, Paris V, Sorbonne, 2010). Autor de 20 artigos em periódicos, dos quais 1 qualificado no estrato A1, 3 qualificados no estrato A2 e 8 qualificados no estrato B1, além de 3 em língua estrangeira (francês). Autor de 6 capítulos de livros, incluindo 2 em língua estrangeira (francês). Orientador de 6 dissertações de mestrado concluídas e co-orientador de 2 dissertações de mestrado concluídas. Membro de 19 bancas de mestrado, 1 banca de qualificação de doutorado e 18 bancas de qualificação de mestrado. Coordenador de 2 projetos de pesquisa financiados pelo CNPq. Organizador de 2 eventos internacionais com financiamento da CAPES. Coordenador-adjunto do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais do Unilasalle desde 2012. Líder do grupo de pesquisa Memória, Cultura e Identidade, vinculado ao CNPq. Coordenador do Observatório Cultural Unilasalle desde 2012. Membro da Rede IPOPsAgeS, vinculada ao Institut National d Études Demographiques (INED-França). Conselheiro municipal de cultura de Canoas/RS entre 2010 e 2014. Palestrante de abertura da 4a Conferência Municipal de Cultura de Canoas/RS (2013). Representante de Canoas/RS na 3ª Conferência Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul (2013), na condição de delegado do setorial Patrimônio Histórico. Tem experiência nas áreas de Antropologia e Psicologia Social, com ênfase em Memória Social e Bens Culturais, atuando principalmente nos seguintes temas: antropologia urbana; memória social; patrimônio cultural; políticas, hábitos e práticas; envelhecimento (aspectos psicossociais). Página pessoal: https://sites.google.com/site/lucasgraeff/ Páginas do Observatório Cultural Unilasalle: https://www.facebook.com/UnilasalleCultural ; http://observatoriocultural.unilasalle.edu.br Blog: https://nopresente.wordpress.com

Paula Pinhal de Carlos, Programa de Pós-Graduação em Direito Centro Universitário La Salle (UNILASALLE)

Possui graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2005), mestrado em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2007) e doutorado pelo Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (2011), com período sanduíche realizado no Institut National D'Études Démographiques de Paris (França). É professora assistente II do Centro Universitário La Salle - Canoas, no qual atua como professora permanente do Mestrado em Direito e Sociedade e como professora colaboradora do Mestrado em Memória Social e Bens Culturais. É também professora assistente I do Centro Universitário Ritter dos Reis. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero e sexualidade.

Referências

Adão, Maria Cecília (2011), A formação militar e a incorporação feminina: as dificuldades na ocupação de novos espaços. Página consultada a 21.10.2013, em http://www.arqanalagoa.ufscar.br/abed/Integra/Maria_Cecília_de_Oliveira_Adão_1208-07.pdf.

Alvarez, Iara Maria Martins (2011), Políticas públicas de gênero: a inclusão das mulheres na Marinha do Brasil como militares. Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí/SC1.

Baquim, Cristiane Aparecida (2014), Mulher e piloto: o caso das pioneiras da aviação militar brasileira. Página consultada a 21.1.2014, em http://www.arqanalagoa.ufscar.br/abed/Integra/Cristiane%20Baquim%2002-08-07.pdf.

Bardin, Laurence (2008), Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2008.

Bastos, Maria Lúcia da Costa (2009), Formação de identidade da mulher militar: Análise do Caso do Serviço de Saúde do Exército Brasileiro – Curso de Formação de Oficiais do ano de 2009. Monografia de Conclusão de Curso. Escola de Saúde do Exército.

Berger, Peter; Luckmann, Thomas (2003), A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Editora Vozes.

Bosi, Ecléa (1994), Memória e sociedade. São Paulo: Companhia das Letras.

Bozon, Michel (2009), Sociologie de la sexualité. Paris: Armand Colin, 2009.

Bruschini, Maria Cristina Aranha (1978), Mulher e trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras. Cadernos de Pesquisa, 27 (1), 3–17.

Bruschini, Maria Cristina Aranha (1994), O trabalho da mulher brasileira nas décadas recentes. Estudos Feministas, 2(1), 179-199.

Bruschini, Maria Cristina Aranha (2007), Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 537–572.

Butler, Judith (2003), Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Carreiras, Helena (2004), Diversidade Social nas Forças Armadas: Género e Orientação Sexual em Perspectiva Comparada. Nação e Defesa, 107(2), 61–88.

Castro, Celso (1993), A origem social dos militares: novos dados para uma antiga discussão. Novos Estudos CEBRAP, (37), 225–231.

Castro, Celso (1990), O Espírito Militar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Chizzotti, Antonio (2001), Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez.

Citeli, Maria Teresa (2001), Fazendo diferenças: teorias sobre gênero, corpo e comportamento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 131-145, jan./jun. 2001.

Clifford, James (1998), A experiência etnográfica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

D'Araújo, Maria Celina (2003), Mulheres e questões de gênero nas Forças Armadas brasileiras. Santiago: Centro de Estudios de Defensa.

De Oliveira, Alexandre Barbosa et al (2013), “No front dos sexos”: a marcha de enfermeiras brasileiras para a conquista do serviço militar. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(3), 636–45.

Eckert, Cornélia; Rocha, Ana Luiza Carvalho da (1998), Premissas para o estudo da memória coletiva no mundo urbano sob a ótica de itinerários dos grupos urbanos e suas formas de sociabilidade. Revista Margem, 1, 243–259.

Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda (2004), Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. Curitiba/PR: Positivo 2004.

Ferrand, Michèle (2004), Féminin masculin. Paris: La Découverte.

Foucault, Michel (1998), História da sexualidade, v.1. Rio de Janeiro: Graal.

Geertz, Clifford (2008), A interpretação das culturas. Tradução Fanny Wrobel. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Gondar, Jô (2005), Quatro proposições sobre memória social, in Gondar, Jô; Dobedei, Vera, O que é memória social?. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2005, 11–26.

Graeff, Lucas (2008), Instituições totais e a questão asilar: uma abordagem compreensiva. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, 11, 9-27.

Graeff, Lucas (2010), Quando durar é recomeçar: a narrativa de vida como intuição do presente. Mouseion, 7, 28–41.

Halbwachs, Maurice (2004), A memória coletiva. São Paulo: Centauro.

Heilborn, Maria Luiza (1997), Corpo, sexualidade e gênero, in Dora, Denise Dourado (org.), Feminino masculino: igualdade e diferença na justiça. Porto Alegre: Sulina, 1997, 47-58.

Le Goff, Jacques (2003), História e memória. Campinas/SP: Editora da Unicamp.

Leirner, Piero C (2009, A etnografia como extensão da guerra por outros meios: notas sobre a pesquisa com militares. Mana, 15(1), 59–89.

Lohmann, Liliana Adiers; Votre, Sebastião Josué (2006), A inserção acadêmica e esportiva da primeira turma feminina no Colégio Militar do Rio de Janeiro. Revista Estudos Feministas, 14(3), 655-680.

Lombardi, Maria Rosa (2005), Perseveraça e resistência: a engenharia como profissão feminina. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP.

Malinowski, Bronislaw (1997), Introdução: objecto, método e alcance desta investigação. Ethnologia, (6-8), 17–37.

Mariuzzo, Patrícia (2008), Mulheres nas forças armadas desafiam conceito de soldado. Ciência e Cultura, 6(4), 10–11.

Mathis, Suzeley Kalil. As Mulheres chegam aos quartéis. Resdal Eletrônica, 1, 33-50.

Minayo, Cecília de Souza (2002), Pesquisa social: teoria, metodo e criatividade. Petrópolis/RJ: Vozes.

Nicholson, Linda (2000), Interpretando o gênero. Estudos Feministas, 8(2), 9-41.

Passeron, Jean-Claude (1995), O Raciocínio Sociológico. Petrópolis/RJ: Vozes.

Pollack, Michael (1989), Memória, Esquecimento, Silencio. Estudos Históricos, 2(3), 3–15.

Ricoeur, Paul (2000), La mémoire, l'histoire, l'oubli. Paris: Seuil.

Santos, Lauciana Rodrigues dos; Cunha, Paulo Ribeiro Rodrigues (2009), A participação das mulheres nas forças armadas brasileiras: um debate contemporâneo. III Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Feministas. Londrina/PR, 1–14.

Santos, Myrian Sepúlveda (2003), Memória coletiva & teoria social. São Paulo: Annablume.

Strey, Marlene Neves et al (1997), Mulher, gênero e representação. In: Strey, Marlene Neves (org.), Mulher, estudos de gênero. São Leopoldo: UNISINOS, 79-98.

Takahashi, Emília Emi (2002), Homens e mulheres em campo: um estudo sobre a formação da identidade militar. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP.

Weber, Max (2002), Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: LTC.

Publicado

2015-12-23

Como Citar

BIASUS, F.; GRAEFF, L.; DE CARLOS, P. P. MULHERES OFICIAIS E GRADUADAS NA BASE AÉREA DE CANOAS/RS: UM ESTUDO DE MEMÓRIA SOCIAL. Gênero & Direito, [S. l.], v. 4, n. 3, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ged/article/view/24893. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Gênero, Sexualidade e Feminismo