A SEXUALIDADE FEMININA E A PSICANÁLISE: ROMPENDO AS AMARRAS DA MORAL SEXUAL CRISTÃ E DO SEXO COMO REPRODUÇÃO.

Autores

  • Carolina Menegon Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI.
  • Enio Waldir da Silva Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUI.

Palavras-chave:

Sexualidade. Mulher. Controle Social. Igreja. Psicanálise.

Resumo

O presente estudo foi desenvolvido tendo por objetivo discorrer, inicialmente, como se desenvolveu a dualidade prostituta/mulher-mãe nos séculos XVII e XVIII e como a Igreja, sobretudo a Católica, o Estado e a Medicina serviram, na época, como instrumento repressor da sexualidade feminina, baseando-se em uma abordagem foucaultiana de poder e repressão. Foi dado evidencia as diferenças socialmente construídas em relação às mulheres e aos homens no tocante à sexualidade, à fidelidade e à moral-cristã. Na sequencia, a sexualidade foi abordada a partir de uma leitura de Joel Birman sobre a teoria psicanalítica de Freud, para, ao final, indicar como a psicanálise contribuiu para o rompimento da ideia de sexo como reprodução e não como desejo. Com a finalidade de cumprir, portanto, o objetivo proposto, o percurso teórico nesta investigação foi elaborado sob a base lógica do método dedutivo, com uma coleta de dados, sobretudo, bibliográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Menegon, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI.

Bolsista de Extensão no País do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) - Nível C. Mestranda do Programa de Mestrado em Direitos Humanos da Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul – UNIJUI. Graduada em Direito na mesma instituição.

Enio Waldir da Silva, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUI.

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Professor dos Cursos de Direito e Mestrado em Direitos Humanos na Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUI.

Referências

BIRMAN, Joel. Cartografias do Feminino. São Paulo: Editora 34, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Repressão sexual: essa nossa (des)conhecida. São Paulo: Brasiliense, 1991.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). et al. O Corpo Educado: Pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. Cidadania no Feminino. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.) et al. História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2004.

Publicado

2015-12-23

Como Citar

MENEGON, C.; WALDIR DA SILVA, E. A SEXUALIDADE FEMININA E A PSICANÁLISE: ROMPENDO AS AMARRAS DA MORAL SEXUAL CRISTÃ E DO SEXO COMO REPRODUÇÃO. Gênero & Direito, [S. l.], v. 4, n. 3, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ged/article/view/25975. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Gênero, Sexualidade e Feminismo