EVIDENCIAS PSICOMÉTRICAS DO BEM SEX ROLE INVENTORY - BSRI NO CONTEXTO NORDESTINO

Autores

  • Amanda Trajano Batista Universidade Federal da Paraíba
  • Francisca Marina Freire Universidade Federal da Paraíba
  • Karla Carolina Silveira Ribeiro Universidade Federal da Paraíba
  • Josevânia Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba

Palavras-chave:

Gênero. Papéis sexuais. Estereótipos.

Resumo

Com base na Teoria de Esquema de Gênero e partindo do pressuposto de que homens e mulheres constroem uma estrutura cognitiva de significados sobre os papeis feminino e masculino que se configuram em esquemas do que é considerado típico de cada um, servindo como padrões de adequação para os comportamentos, atitudes e atributos para cada gênero foi desenvolvido o Bem Sex Role Inventory (BSRI), composto por escalas para as medidas de masculinidade e feminilidade, permitindo avaliar a adesão aos papeis de gênero. A partir da necessidade de revisão sistemática devido às mudanças culturais ocorridas nas sociedades, este estudo, de caráter quantitativo, teve como objetivo verificar as evidências psicométricas do Bem Sex Role Inventory para uma amostra do Nordeste brasileiro. A escala foi aplicada junto a 352 sujeitos, recrutados em diversos locais de João Pessoa (PB) e região metropolitana. Foi realizada uma avaliação da estrutura da escala usando a técnica estatística análise fatorial, além da verificação da fidedignidade. Os resultados apontam para um instrumento com evidências de validade e precisão adequadas. Os participantes foram classificados como tendo papel tipificado masculino (17%), feminino (19%), andrógino (27%) e indiferenciado (26%). Foram encontradas associações estatisticamente significativas com as variáveis sexo, faixa etária, renda e religiosidade. Ainda que tenham ocorrido modificações, observou-se a manutenção dos estereótipos sociais de gênero, regidos por um padrão conservador que aumenta a vulnerabilidade de homens e mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Trajano Batista, Universidade Federal da Paraíba

Mestranda em Psicologia pela universidade federal da Paraiba.

Francisca Marina Freire, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Psicologia Social, Departamento de Psicologia.

Karla Carolina Silveira Ribeiro, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Psicologia Social, Departamento de Psicologia.

Josevânia Silva, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Psicologia Social, Departamento de Psicologia.

Ana Alayde Werba Saldanha, Universidade Federal da Paraíba

Profa Doutora em Psicologia Social, Departamento de Psicologia.

Referências

Bem, Sandra (1974). The measurement of psychological androgyny. Journal of Consulting and Clinical Psychology,42(2), 155-162.

Bem, Sandra (1977). On the utility of alternative procedures forassessing psychological androgyny.Journal of Consultingand Clinical Psychology, 45 (2), 196-205.

Bem, Sandra (1979) The measurement of psychological Androginy.

Bem, Sandra. (1981). Gender schema theory: a cognitive accountof sex typing. Psychological Review, 88 (4), 354-364.

Hernandez, José Augusto Evangelho; Hutz Claudio Simom (2008) Gravidez do Primeiro Filho: Papéis Sexuais, Ajustamento Conjugal e Emocional. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 24(2) 133-141.

Hernandez, José Augusto Evangelho (2009) Reavaliando o Bem Sex Role. Estudos de Psicologia de Campinas 26(1) 73-83.

Hutz, Claudio Simon; Koller, Silvia (1992). A mensuração do gênero: uma readaptação do BSRI. Psicologia: Reflexão e Crítica, 5(2), 15-21.

Ruas, Manuella;Rabot, Jean-Martin(2013) O estilo andrógino contemporâneo: um desvio do imaginário em busca de um novo arquétipo do gênero?Comunicação e Cultura: II Jornada de Doutorandos em Ciências da Comunicação e Estudos Culturais Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho.

Sebastián, Julia; Aguiñiga, Concha; Moreno, Bernardo (1987). Androginiapsicológica y flexibilidad comportamental. EstudiosdePsicología, 32, 15-30.

Souza,Marcos Aguiar; Ferreira, Maria Cristina (1997) Identidade de gênero masculina em civis e militares. Psicologia: Reflexão e critica. 10(2).

Tabachnick, Barbara; Linda Fidell (2001) Using Multivariate Statistics.4ed. Boston: Allyn& Bacon.

Gondim, Sônia Maria Guedes; Sobrinho, José Bonifácio do Amparo; Santana, Vitor Santos; Santos, Vanda Martins dos; Saveia, João Manuel (2013) Gênero, auto conceito e trabalho na perspectiva de brasileiros e angolanos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.16(2), pp. 153-165.

Hernandez, José Augusto; Hutz, Claudio Simom (2008) Gravidez do Primeiro Filho: Papéis Sexuais, Ajustamento Conjugal e Emocional. Psic.: Teoria. e Pesquisa, Brasília, 24(2) pp. 133-141.

Bem, Sandra & Lenney, Ellen (1976) Sex typing and the avoidance of cross-sex behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 33,pp. 48-54.

Peng, TK (2006). Construct validation of the Bem Sex Role Inventory in Taiwan. Sex Roles: A Journal of Research, 55 (11-12), 843-851.

Tajfel, Henry (1983). Grupos humanos e categorias sociais: estudos em psicologia social II. Lisboa: Livros Horizonte.

Heilman, Madeline (2012) Gender Stereotypes and Workplace Bias. Research in Organizational Behavior , 32, pp.113–135.

Saavedra, Luisa (2005). Aprender a ser rapariga, aprender a ser rapaz: Teorias e práticas da escola. Coimbra: Edições Almedina.

Barros, Mônica Colognese; Natividade, Jean Carlos; Hutz, Cláudio Simon.(2013) Construção e validação de uma medida de papéis de gênero. Aval. psicol., Itatiba,12(3).

Lobato, Maria Ines (2001) Transexualismo: uma revisão. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 50(11) pp. 379-388.

Bem, Sandra; Martyna,Wendy; Watson, Carol (1967) Sex typing and androgyny: Further explorations of the expressive domain. Journal of Personality and Social Psychology. 34,pp. 1016-1023.

Publicado

2015-12-23

Como Citar

BATISTA, A. T.; FREIRE, F. M.; RIBEIRO, K. C. S.; SILVA, J.; SALDANHA, A. A. W. EVIDENCIAS PSICOMÉTRICAS DO BEM SEX ROLE INVENTORY - BSRI NO CONTEXTO NORDESTINO. Gênero & Direito, [S. l.], v. 4, n. 3, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ged/article/view/26160. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Sexualidades, Subjetivações e Práticas Psi