VIVÊNCIAS DE MULHERES BRASILEIRAS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE MATERNA

  • Joana Bessa Topa UNIDEP/ISMAI- Instituto Universitário da Maia CIEG/ISCSP-ULisboa- Centro Interdisciplinar de Estudos de Género http://orcid.org/0000-0003-0663-973X
  • Conceição Nogueira FPCEUP- faculdade de psicologia e de ciências da educação da Universidade do Porto http://orcid.org/0000-0002-9152-754X
  • Sofia Neves UNIDEP/ISMAI- Instituto Universitário da Maia CIEG/ISCSP-ULisboa- Centro Interdisciplinar de Estudos de Género
Palavras-chave: Imigrantes Brasileiras. Serviços de Saúde Materno-Infantis. Vivências. Direitos.

Resumo

O número de mulheres a viver a maternidade em contexto multicultural e migratório é, atualmente, uma realidade com uma expressão reconhecida. Todavia, o conhecimento em torno da qualidade e da eficácia do acesso das imigrantes aos cuidados de saúde, é ainda diminuto em Portugal (Fonseca et al., 2007). Situado em pressupostos teóricos e epistemológicos críticos oferecidos pelo construcionismo social, o presente estudo, de natureza qualitativa, pretendeu analisar e caracterizar, através de entrevistas semiestruturadas, os discursos, perceções e vivências de dez mulheres brasileiras que estavam grávidas e/ou foram mães em Portugal acerca dos cuidados de saúde materno-infantis recebidos no país. Como método de análise recorremos à análise temática (Braun e Clarke, 2006) sendo esta complexificada com uma análise em profundidade auxiliada pela análise crítica do discurso (Willig, 2003, 2008). Os resultados mostram que, apesar de gratuitos, os padrões de procura de serviços de saúde para vigilância de gravidez são tardios. Para isso contribuem as experiências vivenciadas nos diversos contextos sociais (e.g., discriminação) bem como os múltiplos e diferenciados obstáculos que encontram (e.g., económicos, burocráticas) quando acedem ou tentam aceder aos serviços. Embora a maioria faça uma apreciação positiva dos cuidados recebidos, algumas queixam-se da interpretabilidade da lei e sua usurpação por parte de quem as recebe nos serviços, bem como alertam para a insensibilidade demonstrada pelas/os profissionais face à diversidade cultural e a constante discriminação preconizada. Face às dificuldades sentidas e aos discursos com os quais vão contactando, estas mulheres vão alimentando uma noção de si como pessoas com menos direitos, o que as leva conformarem-se com as práticas ocidentais de cuidado e a silenciar-se face às práticas discriminatórias a que são sujeitas. As estratégias individuais utilizadas parecem não constituir qualquer tipo de ameaça ao grupo hegemónico, contribuindo para a manutenção do status quo e da desigualdade (Topa et al., 2013).

Biografia do Autor

Joana Bessa Topa, UNIDEP/ISMAI- Instituto Universitário da Maia CIEG/ISCSP-ULisboa- Centro Interdisciplinar de Estudos de Género
Joana Topa é doutorada em Psicologia Social e especializada em Intervenção Social. Desde 2011 desempenha funções como Assistente Convidada no Departamento de Ciências Sociais e do Comportamento no Instituto Universitário da Maia – ISMAI (Portugal). Lecciona diferentes unidades curriculares ao nível do 1º ciclo do curso de Psicologia (Psicologia Social) e Criminologia (Avaliação Psicológica e Forense, Intervenção Psicológica em Vítimas e Ofensores e Programas de Prevenção de Delinquência). É membro integrado do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP-UL). A sua tese de doutoramento, orientada por Conceição Nogueira (Universidade do Minho) e Sofia Neves (ISMAI) intitula-se Cuidados de saúde materno-infantis à população imigrante residente em Portugal [Maternal and child health care for immigrant population residing in Portugal (2013)]. Como investigadora, tem colaborado em vários projetos de investigação em psicologia (ex. Género, Violências e Bem Estar no ISMAI/UNIDEP; Violências no namoro no UNIDEP/CINEICC – ISMAI, Sonhos Traficados: as rotas da violência e da imigração feminina na UNIDEP – ISMAI). Os seus interesses atuais focam-se nos Estudos de Género, Psicologia Feminista Crítica, Migrações, Criminologia, Vitimologia e Direitos Humanos. Tem publicações em revistas internacionais como Psico, Saúde e Sociedade e capítulos em livros editados como Vida de mulher: gênero, sexualidade e etnia, Violências na Contemporaneidade no Brasil e em Portugal.
Conceição Nogueira, FPCEUP- faculdade de psicologia e de ciências da educação da Universidade do Porto
É professora associada com agregação da faculdade de psicologia e de ciências da educação da universidade do porto, doutorada em Psicologia Social pela Universidade do Minho é autora de vários livros publicados em língua portuguesa (Portugal e Brasil) e de inúmeras publicações em revistas (nacionais e internacionais) capítulos de livros e actas de Congressos sobre a temática dos Estudos de Género e Feminismo. Foi coordenadora de vários projetos de investigação no domínio apoiados pela fundação para a ciência e tecnologia.
Sofia Neves, UNIDEP/ISMAI- Instituto Universitário da Maia CIEG/ISCSP-ULisboa- Centro Interdisciplinar de Estudos de Género
é licenciada em Psicologia pela Universidade do Minho (1999) e doutorada em Psicologia Social pela mesma universidade (2005). É atualmente docente e investigadora no Instituto Superior da Maia (ISMAI). É membro integrado do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP-UL).Tem desenvolvido investigação no domínio dos Estudos de Género, da Psicologia Feminista Crítica, da Vitimologia/Psicologia Forense e das Migrações.

Referências

Abranches, Maria (2007), Pertenças Fechadas em Espaços Abertos. Estratégias de (Re)Construção Identitária de Mulheres Muçulmanas em Portugal. Lisboa: ACIDI.

ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural, I.P. (2007), Plano para a Integração dos Imigrantes. Resolução do Conselho de Ministros nº 63-A/2007. Lisboa: Presidência do Conselho de Ministros.

Albuquerque, Rosana (2005), “Para uma análise multidimensional da situação das mulheres: as relações entre género, classe e etnicidade”, in SOS RACISMO (Eds.), Imigração e Etnicidade- Vivências e trajectórias de mulheres em Portugal. Lisboa: SOS Racismo, 37-49.

Alvarenga, Carlos (2002), “Reflexão sobre a História e a Migração em Portugal”, in SOS RACISMO (ed.), A Imigração em Portugal- Os movimentos humanos e culturais em Portugal. Lisboa: SOS Racismo, 21-28.

Anthias, Floya (1983/2000), “Metaphors of Home: Gendering New Migrations in Southern Europe”, in F. Anthias & G. Lazaridis (Eds.), Gender and Migration in Southern Europe: Women on the Move. New York: Berg, 17-49.

Bäckström, Bárbara (2009), Saúde e Imigrantes: As Representações e as Práticas sobre a Saúde e a Doença na Comunidade Cabo-Verdiana em Lisboa. Lisboa: ACIDI.

Boyd, Monica (2006), “Push Factors Resulting in the Decision for Women to Migrate, in UNFPA/IOM, Female Migrants: Bridging the Gaps Throughout the Life Cycle. New York: UNFPA/IOM.

Braun, Virginia & Clarke, Victoria (2006), “Using thematic analysis in psychology”. Qualitative Research in Psychology, 3, 77-101.

Carballo, Manuel (2007), The challenge of migration and health. Antwerp: International Centre for Migration and Health.

Carrilho, Maria, & Patrício, Lurdes (2010). “A Situação Demográfica Recente em Portugal”, Revista de Estudos Demográficos, 48, 101-146.

Castles, Stephen; Miller, Mark (2003), The Age of Migration. New York: Guilford Press.

CEDAW (2008). Observações finais do Comité para a Eliminação da discriminação contra as mulheres. Consultado a 02.03.2016, em http://plataformamulheres.org.pt/docs/42cedaw/Observacoes-finais-CEDAW-PT.pdf

Diário da República (2001). Despacho n.º 25.360/2001, de 12 de dezembro. Lisboa: Diário da Républica.

Diário da República (2003). Decreto-Lei n.º 173/2003, de 1 de agosto. Lisboa: Diário da Républica.

Dias, Sónia; Gonçalves, Aldina (2007), “Migração e Saúde”, Migrações, 1, 15-26.

Dias, Sónia et al. (2009), Saúde Sexual e Reprodutiva de Mulheres Imigrantes Africanas e Brasileiras- Um estudo qualitativo. Lisboa: ACIDI.

Fonseca, Maria et al. (2005), Reunificação Familiar e Imigração em Portugal. Lisboa: ACIME.

Fonseca, Lucinda et al. (2007), Saúde e integração dos imigrantes em Portugal: uma perspectiva geográfica e política. Consultado a 22.01.2014, em http://www.ceg.ul.pt/mcm/migracoesart.pdf.

Fonseca, Lucinda et al. (2009), Country Report on National Data Collection Systems and Practices in Portugal. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa.

González-González, J., & Zarco, V. (2008), “Immigration and Feminity in Southern Europe: A gender-based psychosocial analysis”, Journal of Community & Applied Social Psychology, 18, 440-457.

Hondagneu-sotelo, Pierrette (1999), “Introduction: Gender and Contemporary U.S. Immigration”, American Behavioral Scientist, 42, 565-576.

INE- Instituto Nacional de Estatística (2001). XIV Recenseamento Geral da População. Consultado a 03.02.2015, em http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=censos_historia_pt_2001

INE (2011). Estatísticas. Consultado a 03.02.2015, em https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INEexpgid=ine_indicadoreseindOcorrCod=0003665econtexto=bdeselTab=tab2

IOM – International Organization for Migration (2004), Glossary on Migration. Geneva: IOM.

Kofman, Eleanore, & Sales, Rosemary (2001), “Migrant Women and Exclusion in Europe”, in J. Fink, G. Lewis & J. Clarke (Eds.), Rethinking European Welfare: Transformations of Europe and Social Policy. London: SAGE, 96-109.

La Barbera, MariaCaterina (2012), “Intersectional-Gender and the Locationality of women “in transit”, in. G. Bonifacio (Eds.), Feminism and Migration: Cross-Cultural Engagements. Canada: Springer, 17-31.

Machado, Maria et al. (2007), “Cuidados de saúde materna e infantil a uma população de imigrantes”, in S. Dias (Eds.), Revista Migrações - Número Temático Imigração e Saúde. Lisboa: ACIDI, 103-127.

Malheiros, Jorge (2007), Imigração brasileira em Portugal. Lisboa: ACIDI.

Miranda, Joana (2009), Mulheres Imigrantes em Portugal: Memórias, Dificuldades de Integração e Projectos de Vida. Lisboa: ACIDI.

Morokvasic, Mirjana (1984), “Birds os passage are also women”, International Migration Review, 18, 886-907.

Neves, Sofia (2010a), “Tráfico de mulheres brasileiras para fins de exploração sexual em Portugal e Interseccionalidade: Um estudo de caso”, Psicologia. 2(XXIV).

Neves, Sofia (2010b), “Sonhos traficados (escravaturas modernas?): Tráfico de mulheres para fins de exploração sexual em Portugal”, in Neves, S. e Fávero, M. (Coord.), Vitimologia: Ciência e Activismo. Coimbra: Almedina, 195-226.

Nogueira, Conceição (2001), Um Novo Olhar sobre as Relações Sociais de Género. Perspectiva feminista Crítica na Psicologia Social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Nogueira, Conceição (2011), “Introdução à teoria da Interseccionalidade nos Estudos de Género”, in S. Neves (Eds.), Género e Ciências Sociais. Maia: Edições ISMAI, 57-78.

Oso, Laura, & Catarino, Christine (1997), “Femmes chefs de famille et migration”, in J. Bisilliat (Eds.), Femmes du Sud, chefs de famille. Paris: Karthala, 73-77.

Padilla, Beatriz (2006), “Redes sociales de los brasileros recién llegados a Portugal: ¿solidaridad étnica o empatía étnica?” Revista Alternativas. Cuadernos de Trabajo Social, 14, 49-61.

Padilla, Beatriz (2007a), “A imigrante brasileira em Portugal: Considerando o género na análise”, in J. Malheiros (Eds.), Imigração Brasileira em Portugal. Lisboa: ACIDI, 113-134.

Padilla, Beatriz (2007b), “Brasileras en Portugal: de la transformación de las diversas identidades a la exotización”, Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM, 14.

Peixoto, João (2005), O Tráfico de Migrantes em Portugal. Perspectivas Sociológicas, Jurídicas e Política., Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas.

Peixoto, João et al. (2006), Mulheres Migrantes: Percursos Laborais e Modos de Inserção Socioeconómica das Imigrantes em Portugal. Lisboa: SOCIUS.

Pessar, Patricia (1999), “The role of gender, households and social networks in the migration process: A review and appraisal”, in C. Hirchman, P. Kasinitz & J. Dewind (Eds.), The Handbook of Internacional Migration: The American Experience. New York: Russell Sage Fondation, 51-70.

Pires, Rui (2007), “Fluxos Migratórios- Dinâmicas e Modos de Gestão”, in A. Vitorino (Eds.), Imigração: Oportunidade ou Ameaça?. Estoril: Principia, 45-62.

Plano Estratégico para as Migrações (2015-2020). Consultado em 28.03.2016, em http://www.acm.gov.pt/documents/10181/42225/Plano+Estrat%C3%A9gico+para+as+Migra%C3%A7%C3%B5es+(PEM)_RCM.pdf/b6375f51-53e2-4d88-9783-81cf1c7bb91c

PRODATA (2012) Consultado a 25.03.2016, em http://www.pordata.pt/Portugal

Pusseti, Chiara, et al. (2009), Migrantes e saúde Mental- a construção da competência cultural. Lisboa: ACIDI.

Rademakers, J. et al. (2005), “Diversity in sexual health: Problems and dilemas”, The European Journal of Contraception and Reproductive Health Care, 10, 207-211.

Reijneveld, S. A. (1998), “Reported health, lifestyles and use of health care of first generation immigrants in the Netherlands: do socioeconomic factors explain their adverse position?”, Journal of Epidemiology and Community Health, 2, 298-304.

Rosário, Edite et al. (2011), Discursos do Racismo em Portugal: essencialização e inferiorização nas trocas coloquiais sobre categorias minoritárias. Lisboa: ACIDI.

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (2011). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo. Consultado a 01.04.2016 em http://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa_2011.pdf

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (2014). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo. Consultado a 01.04.2016, em http://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa_2014.pdf.

Shaw, Ian (2003), “Ethics in Qualitative Research and Evaluation”, Journal of Social Work, 3, 9-29.

Topa, Joana (2009), Ser mulher, ser imigrante: emergência de novas identificações femininas. (Tese de Mestrado). ISMAI, Castêlo da Maia.

Topa, Joana et al. (2010), “Inclusão/exclusão das mulheres imigrantes nos cuidados de saúde em Portugal: Reflexão à luz do feminismo crítico”, PSICO, 41, 366-373.

Topa, Joana et al. (2013), “Imigração e saúde: a (in)acessibilidade das mulheres imigrantes aos cuidados de saúde”, Saúde e Sociedade, 22(2).

UNFPA (2006), State of World Population 2006. A Passage to Hope: Women and International Migration. Consultado a 06.03.2015, em http://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/sowp06-en.pdf

Vala, Jorge & Monteiro, Maria (2006), Psicologia Social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Wall, Karin et al. (2005a), Immigrant Women In Portugal: migration trajectories, main problems and policies. Institute of Social Sciences: University of Lisbon.

Wall, Karin et al. (2005b), Mulheres imigrantes e novas trajectórias de migração: um croché transnacional de serviços e cuidados no feminino. Versão eletrónica, consultada em 16.03.2016, em http://www.ics.ul.pt/rdonweb-docs/Karin%20Wall%20-%20Publica%C3%A7%C3%B5es%202008%20n%C2%BA3.pdf

WHO– World Health Organization (2003), International Migration, Health and Human Rights, Health and Human Rights Publication Series. Geneva: WHO.

Willig, Carla (2003), “Discourse analysis”, in J. Smith (Eds.), Qualitative psychology: A practical guide to research methods. London, Thousand Oaks, New Delhi: Sage Publications, 159-183.

Willig, Carla (2008), “Foucauldian Discourse Analysis”, in C. Willig (Eds.), Introducing Qualitative Research in Psychology. London: Open University Press, 112-131.

Yamanaka, Keiko.; Piper, Nicola (2006), Feminised Migration in East and Southeast Asia: Policies, Actions and Empowerment. UNRISD Occasional Paper. 11. Geneva: UNRISD.

Publicado
2016-09-30
Como Citar
TOPA, J. B.; NOGUEIRA, C.; NEVES, S. VIVÊNCIAS DE MULHERES BRASILEIRAS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE MATERNA. Gênero & Direito, v. 5, n. 2, 30 set. 2016.
Seção
Migração, Mobilidade & Direitos Humanos