PENSAR O GÉNERO NA PUBLICIDADE: PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

  • Ana Reis Jorge Centro Interdisciplinar em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS.Nova/UMinho)
  • Carla Cerqueira Centro de Estudos em Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho (CECS-UMinho)
  • Sara I. Magalhães Centro de Psicologia da Universidade do Porto (CPUP)
Palavras-chave: Publicidade. Género. Jovens. Portugal.

Resumo

Neste artigo discutem-se resultados do projeto PubliDiversidade . Após a realização de grupos focais com jovens universitárias/os da área de comunicação, analisaram-se as suas percepções relativamente à dimensão de género na publicidade, enfatizando também as estratégias de auto e hetero-regulação existentes. Concluiu-se pela escassez de perspetivas críticas e de rutura face a representações genderizadas em anúncios publicitários, subtraindo-as a imperativos sociais e de mercado, embora algumas/alguns participantes tenham apresentado discursos que remetem para alguma reflexividade. Neste sentido, o estudo aponta para a necessidade de ampliação de uma literacia publicitária crítica, com previsível impacto na edificação de uma publicidade pautada pela igualdade de género.

Referências

Almeida, João Ferreira de (2013), Desigualdades e perspetivas dos cidadãos. Portugal e a Europa. Lisboa: Editora Mundos Sociais.

Amâncio, Lígia (1994), Masculino e feminino: construção social da diferença. Porto: Edições Afrontamento.

Arnaut, Catarina (2011), As questões de Género na Publicidade: percepções de estudantes e profissionais das área do Marketing e da Publicidade [Dissertação de Mestrado não publicada]. Gestão de Serviços, Faculdade de Economia, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Baker, Christina N. (2005), “Images of Women's Sexuality in Advertisements: A content analysis of Black- and White-Oriented Women's and Men's Magazines”, Sex Roles, 52(1/2), 13-27.

Betterton, Rosemary (1987), “Introduction: Feminism, Femininity and Representation”, in Rosemary Betterton (Ed.), Looking on, Images of Femininity in the Visual Arts and the Media. London: Pandora, 1-17.

Braun, Virginia; Clarke, Vitoria (2013), Successful qualitative research: A practical guide for beginners. Los Angeles|London|New Delhi|Singapore|Washington, DC: Sage Publications.

Cabecinhas, Rosa (2007), Preto e Branco. A naturalização da discriminação racial. Porto: Campo das Letras.

Cerqueira, Carla & Cabecinhas, Rosa (2012). `Políticas para a igualdade entre homens e mulheres nos media: da (inov)ação legislativa à mudança social'. Ex Aequo, 25: 105-118.

Cerqueira, Carla (2012), Quando elas (não) são notícia: mudanças, persistências e reconfigurações na cobertura jornalística sobre o Dia Internacional da Mulher em Portugal (1975-2007) [Tese de Doutoramento não publicada]. Ciências da Comunicação, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Cerqueira, Carla (2014), “Os média, os públicos e os discursos de género: (in)visibilidades, linguagens e protagonistas”, in, Ana M. Jorge, Carla Cerqueira & Sara I. Magalhães (Eds), PubliDiversidade. Representações Sociais e Igualdade de Género na Publicidade. Braga: UMAR, 7-16.

CIDM (2005), Estratégias Internacionais para a Igualdade de Género: a Plataforma de acção de Pequim (1995-2005). Lisboa: Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres.

Creedon, Pamela & Cramer, Judith (2007), Women in Mass Communication. Cresskill, Nova Iorque: Hampton Press.

Crenshaw, Kimberlé (2002), “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao género”, Estudos feministas, 1, 171-189.

Cronin, Anne (2000), Advertising and Consumer Citizenship. London: Routledge.

Davis, Simon (1990), “Men as Success Objects and Women as Sex Objects: A Study of Personal Advertisements”, Sex Roles 23(1/2), 43-50.

Esteves, João Pissarra (2003), Espaço público e democracia. Lisboa: Edições Colibri.

Faludi, Susan (1991), Backlash. The Undeclared War Against Women. Nova Iorque: Crown Publishers.

Fraser, Nancy (1990), “Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy”, Social Text, 25/26, 56-80.

Gallagher, Margaret (1995), “O imperialismo de baton e a nova ordem mundial: as mulheres e os media no fim do séc. XX”, in Maria João Silveirinha (Ed.), As mulheres e os Media. Lisboa: Livros Horizonte, 69-96.

Gallagher, Margaret (2001), Gender Setting. News agenda for media monitoring and democracy. London: Zed Press.

Gallego, Juana (2013), De reinas a ciudadanas: motor o rémora para la igualdad. España: Aresta.

Goffman, Erving (1979), Gender advertisements. Cambridge: Harvard University Press.

Gondim, Sônia (2003), “Grupos Focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos”, Paidéia, 12(24), 149-161.

González, Martin et al. (1991), La publicidade, desde el consumidor. Bizkaia: Eroski.

Habermas, Jürgen (1962, trans. 1989), The Structural Transformation of the Public Sphere: An Inquiry into a category of Bourgeois Society. Cambridge: Polity Press.

Hall, Stuart (1980), “Encoding/Decoding”. In Stuart Hall, Dorothy Hobson, Andrew Lowe & Paul Willis (Eds.), Culture, media, language. London: Hutchinson, 128–138.

Hall, Stuart (1997), “The work of representation”, in Stuart Hall (org.), Representation. Cultural representation and cultural signifying practices. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/Open University, 1-74.

Januário, Soraia (2016), Masculinidades em (Re)Construção. Gênero, Corpo e Publicidade. Covilhã, Labcom.

Januário, Soraia; Cascais, António Fernando (2012), “O corpo masculino na Publicidade: uma discussão contemporânea”, Comunicação e Sociedade, 21, 135 – 148.

Jodelet, Denise (1989), “Les représentations sociales : un domaine en explanation”, in Denise Jodelet (eds.) Les representations sociales. Paris: PUF, 47-78.

Kellner, Douglas; Share, Jeff (2005), “Toward Critical Media Literacy: Core concepts, debates, organizations, and policy”. Discourse: studies in the cultural politics of education, 26(3), 369_386

Kellner, Douglas; Share, Jeff (2007), “Critical media literacy is not an option”, Learning Inquiry, 1(1), 59-69.

Killbourne, Jean (1999), Deadly Persuasion: Why Women and Girls Must Fight the Addictive Power of Advertising. New York: Free Press.

Lazar, Michelle (2014), “Recuperating feminism, reclaiming femininity: hybrid postfeminist I-dentity in consumer advertisements”. Gender & Language, 8(2), 205–224.

Lobo, Paula & Cabecinhas, Rosa (2013), “Perspetivas de género no acesso ao espaço público mediatizado: refletindo sobre os conteúdos noticiosos do telejornal”, Estudos em Comunicação, 13, 195-236.

Lopes, Paula (2011), “Literacia(s) e literacia mediática”. CIES e-Working Paper N. 110/2011. Consultado a 18.11.2016, em: http://www.cies.iscte.pt/destaques/documents/CIES-WP110_Lopes.pdf

Lorenzi-Cioldi, Fabio (2002), Les représentations des groupes dominants et dominés. Collections et agrégats. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble.

Louro, Guacira (2003), “Corpos que escapam”. Estudos feministas. Consultado a 18.11.2016, em: http://www.pibid.ufpr.br/pibid_new/uploads/edfisica2011/arquivo/243/corpos_que_escapam.pdf

Lippman, Walter (1922), Public opinion. Nova Iorque: MacMillan.

Machado, Helena; Santos, Filipe (2009), “A moral da justiça e a moral dos media: Julgamentos mediáticos e dramas públicos”. Oficina do CES, 333, 1-18. Consultado a 17.11.2015, em: http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/ficheiros/333.pdf.

Magalhães, Sara I. (2016), Como ser uma Ragazza. Discursos de sexualidade numa revista para raparigas adolescentes. Saarbrücken: NEA – Novas Edições Acadêmicas.

Magalhães, Sara I. (2014), “Análise de anúncios publicitários em revistas estilo de vida portuguesas – um estudo de caso”, in, Ana M. Jorge, Carla Cerqueira & Sara I. Magalhães (Eds), PubliDiversidade. Representações Sociais e Igualdade de Género na Publicidade. Braga: UMAR, 17-33.

Magalhães, Sara I. (2011), Como ser uma Ragazza. Discursos de sexualidade numa revista para raparigas adolescente. [Tese de Doutoramento não publicada], Psicologia da Educação, Escola de Psicologia, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Marshment, Margaret (1993), “The Picture is Political: Representation of Women in Contemporary Popular Culture”, in Diane Richardson & Victoria Robinson (Eds.), Introducing Women’s Studies. London: Macmillan Press, 123-150.

Martins, Mafalda S. (2016), A representação do corpo feminine na publicidade: um estudo de caso na revista ACTIVA. [Relatório de Estágio não publicado], Comunicação e Jornalismo, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Morgan, David (1997), Focus group as qualitative research. Qualitative Research Methods Series. London: Sage Publications.

Moscovici, Serge (1981), “Social Representations, Social Cognition”, in Joseph Forgas (ed.), Social Cognition-Perspectives on everyday understanding. Londres: Academic Press, 181-209.

Mota Ribeiro, Silvana (2010), Do outro lado do espelho: imagens e discursos de género nos anúncios das revistas femininas, uma abordagem socio-semiótica visual feminista. [Tese de Doutoramento não publicada]. Ciências da Comunicação, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Neves, Sofia; Nogueira, Conceição. (2003). "A psicologia feminista e a violência contra as mulheres na intimidade: a (re)construção dos espaços terapêuticos", Psicologia & Sociedade 15(2), 43 - 64.

Pereira, Sara et al. (2014), Referencial de Educação para os Media para a Educação Pré-escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência.

Rasquilha, Luís (2009), Publicidade. Lisboa: Gestão Plus.

Reichert, Tom et al. (2007), “A Test of Media Literacy Effects and Sexual Objectification in Advertising”, Journal of Current Issues an Research in Advertising, 29(1), 81-92.

Ross, Karen (2009), Gendered Media: Women, Men, and Identity Politics: Maryland: Rowman & Littlefield Publishers.

Rozendaal, Esther et al. (2011), “Reconsidering Advertising Literacy as a Defense Against Advertising Effects”, Media Psychology, 14(4), 333-354.

Soley, Lawrence; Craig, Robert (1992), “Advertising Pressures on Newspapers: A Survey”, Journal of Advertising, 21(4), 1-10.

Silva, Manuel Carlos (2008), “Desigualidades de género”. Configurações, 4, 65-89.

Subtil, Filipa (2009), ‘Anotações sobre o processo de feminização da profissão de jornalista na década de 1990’ in Garcia, José Luís (org.) Estudos sobre os jornalistas portugueses: metamorfoses e encruzilhadas no limiar do século XXI. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais: 93-108.

Tajfel, Henri (1982), Social Identity and Intergroup Relations. Cambridge: Cambridge University Press.

Thomas, Elizabeth; Jolls, Tessa. (2004), “Media Literacy – A National Priority for a Changing World”, American Behavioral Scientist, 48(1), 18-29.

Thornham, Susan (1998), ‘Feminist Media and Film Theory’ in Jackson, Steve & Jones, Jackie (eds.) Contemporary Feminist Theories. Edimburgo: Edinburgh University Press.

Tuchman, Gaye (1979), “Introduction: the symbolic annihilation of women by mass media”, in Gaye Tuchman et al. (Org.), Hearth and Home: Images of Women in the Mass Media. New York: Oxford University Press, 3-38.

Van Dijk, Teun (1991), Racism and the Press. Nova Iorque: Routledge.

Van Zoonen, Lisbeth (1994), Feminist Media studies. Newbury Park, CA: SAGE.

Veríssimo, Jorge (2005), “A mulher “objecto” na publicidade”, Livro de actas do IV Congresso SOPCOM - Repensar os media: novos contextos da comunicação e da informação. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1701-1721.

Zacchetti, Matteo (2011), “Literacia mediática: uma abordagem europeia”, comunicação apresentada no Congresso Literacia, Media e Cidadania, Braga.

Zawisza, Magdalena; Cinnirella, Marco (2010), “What Matters More – Breaking Tradition or Stereotype Content? Envious and Paternalistic Gender Stereotypes and Advertising Effectiveness”, Journal of Applied Social Psychology, 40(7), 1767-1797.

Publicado
2017-11-30
Como Citar
JORGE, A. R.; CERQUEIRA, C.; MAGALHÃES, S. I. PENSAR O GÉNERO NA PUBLICIDADE: PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS. Gênero & Direito, v. 6, n. 1, 30 nov. 2017.
Seção
Mídia, Gênero & Direitos Humanos