HOMEM IDOSO QUE TRABALHA NO CAMPO: VULNERABILIDADES INDIVIDUAIS, SOCIAIS E PROGRAMÁTICAS

  • Lucimare Ferraz Universidade Comunitária da Região de Chapeco e Universidade do estado de Santa Catarina-Udesc. http://orcid.org/0000-0002-2487-8614
  • Ligiane Pauly Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC
  • Rosana Maria Badalotti Universidade Comunitária da Região de Chapeco
  • Marta Kolhs Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC
Palavras-chave: Homem. Idoso. Trabalhador. Rural. Vulnerabilidade.

Resumo

O processo de envelhecimento e masculinização no meio rural é um fenômeno mundial. Esse fato gera diversas situações que necessitam ser (re)conhecidas pela sociedade pública e privada. Esse artigo tem por objetivo tencionar uma reflexão sobre o homem idoso trabalhador rural por suas vulnerabilidades, em três dimensões: individual, a social e a pragmática. Trata-se de uma revisão narrativa que buscou na literatura contemporânea descrever e analisar o corpo de conhecimento sobre a temática. Por fim, evidenciou-se que os homens idosos rurais estão em situação de vulnerabilidade, uma vez que encontram-se isolados socialmente; além de trabalharem em ambientes insalubres e perigosos devido suas deficiências físicas e psíquicas; outrossim, há limitações em exercerem seus direitos enquanto trabalhadores, aposentados e cidadãos.

Biografia do Autor

Lucimare Ferraz, Universidade Comunitária da Região de Chapeco e Universidade do estado de Santa Catarina-Udesc.
Doutora em Ciências da saúde (Unifesp). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde e em Enfermagem.
Ligiane Pauly, Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC
Enfermeira. Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC
Rosana Maria Badalotti, Universidade Comunitária da Região de Chapeco
Doutora em Interdisciplinar em Ciências Humanas (2003) pela Universidade Federal de Santa Catarina . Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Dinâmicas Regionais- Unochapeco.
Marta Kolhs, Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC
Doutora Enfermagem UFRGS Docente da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) na graduação e pós-graduação "lato sensu" .

Referências

AREOSA, Silvia Virginia Coutinho. Novas configurações familiares a partir do idoso como provedor. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre. 2008, pp. 212.

ABRASCO. Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro. 2015.

ANJOS, Flávio Sacco Dos; CALDAS, Nádia Velleda; POLLONOW, Germano Ehlert. “Menos mulheres, menos jovens, mais incertezas: a transição demográfica no Brasil rural meridional”. Rev. Extensão Rural. 2014, pp. 94-116.

ANJOS, Flávio Sacco dos; CALDAS, Nádia Velleda. “O futuro ameaçado: o mundo rural face os desafios da masculinização, envelhecimento e desagrarização”. Ensaios FEE, Porto Alegre, 2005, pp.661-694.

ARAÚJO, Gilberto Cifuentes Dias; GOSLING, Marlusa; HARDOIM, Paulo César. Segurança do trabalhador rural. Agroanalysis. 2007, pp 30-40.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita et al. O Conceito de Vulnerabilidade e as Práticas de Saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, Dina; FREITAS, Carlos Machado de. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec, 2012, pp. 176.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita et al. Risco, vulnerabilidade e práticas de prevenção e promoção da saúde. In: CAMPOS, Gastao Wagner de Sousa; CARVALHO,Yara Maria de; MINAYO,Maria Cecilia de Souza; DRUMOND Junior,Marcos ; AKERMAN, Marco. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec, 2012, pp. 976.

BARBOSA, Keylla Talitha Fernandes. Vulnerabilidade física, social e programática de idosos atendidos na atenção primária de saúde do município de João Pessoa. Paraíba. 2015.

BRASIL. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003.: Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências.

BRASIL. PORTARIA Nº 1.823, DE 23 DE AGOSTO DE 2012. 2012.

BRASIL. Ana Maria Resende Chagas. Saúde e segurança no trabalho no Brasil: Aspectos Institucionais, Sistema de Informações e Indicadores. Ipea (Org.). 2011.

BRASIL. Portaria n.º 2.528 de 19 de outubro de 2006. 2006.

BOURDIEU, Pierre. El baile de los solteros. Barcelona: Anagrama, 2004, pp. 282.

COSTA, Cassiane da; FROEHLICH, José Marcos; CARPES, Ricardo Howes. “Masculinização rural: uma abordagem a partir da regionalização por sistemas agrários no Rio Grande do Sul”. Rev. bras. estud. popul. São Paulo, 2013, pp. 465-483.

COSTA, Alfredo; MATOS, Ralfo Edmundo da Silva; VALLE, Matheus Henrique Fernandes. “Análise dos processos de masculinização no meio rural dos municípios brasileiros segundo porte populacional e grau de modernização de agropecuária”. Rev. de geo. agra. 2015, pp. 271-292.

COSTA, da Cassiane; FROEHLICH, Marcos José. “Políticas públicas e masculinização rural no Rio Grande do Sul - uma abordagem a partir das condições regionais”. Rev. de geo. agra. 2014, pp. 27-54.

COUTO, José Luiz Viana. Riscos de acidentes na zona rural. Rio de Janeiro, 2006.

DIMPÉRIO, Maida Geni Siqueira et al. Saúde rural:o caso da linha das flores. Sober. Porto Alegre. 2009, pp. 00 - 12.

DUARTE, Yeda Aparecida de Oliveira; DIOGO, Maria José D'Elboux. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo. Atheneu, 2005, pp. 630.

FERRAZ, Lucimare. ALVES, Jessica; FERRETTI, Fatima. “A vulnerabilidade ocupacional do idoso no meio rural”. Sau. & Transf. Soc. Florianópolis. 2017.

INÁCIO, Candice Cristina Fiúza. Prevenção de Queda em Idosos: possibilidades da garantia de um envelhecimento saudável. Salvador. 2011, pp. 55.

KINOSHITA, Denise. “Alterações do sistema imunológico relacionadas ao envelhecimento e suas consequências”. Rev. da Universidade Ibirapuera. São Paulo. 2014.

LUECKENOTTE, Annette. Avaliação em Gerontologia. São Paulo. 2002, pp. 286.

MARTINS, Anameire de Jesus; FERREIRA, Nilza Sampaio. “A ergonomia no trabalho rural”. Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde, Salvador. 2015.

MAIA, Flávia de Oliveira Motta. Fatores de Riscos para Óbitos em Idosos. Rev. esc. enferm. São Paulo, 2005.

MARCHIORI, Paula Marco; FERRAZ, Lucimare. Análise da vulnerabilidade gestacional de trabalhadoras rurais assistidas pela Estratégia Saúde da Família. Chapecó, 2014, pp.173.

MORAIS, Eliane Pinheiro de; RODRIGUES, Rosalina Aparecida Partezani; GERHARDT, Tatiana Engel. “Os idosos mais velhos no meio rural: realidade de vida e saúde de uma população do interior gaúcho”. Texto Contexto Enferm. Florianópolis. 2008, pp. 374-83.

PAZ, Adriana Aparecida; SANTOS, Beatriz Regina Lara dos; EIDT, Olga Rosaria. “Vulnerabilidade e envelhecimento no contexto da saúde”. Rev. Acta Paul Enferm. Vacaria. 2006, pp.338-342.

PEIXOTO, Neverton Hofstadler. Segurança do Trabalho I. Santa Maria. 2010, pp. 152.

POLETTO FILHO, José Antonio. “Análise dos Riscos Físicos e Ergonômicos em Roçadora Transversal Motorizada”. Revista da Associação Brasileira de Ergonomia. Botucatu, 2013, pp. 70-81.

RODRIGUES, Natália Oliveira; NERI, Anita Liberalesso. “Vulnerabilidade social, individual e programática em idosos da comunidade: dados do estudo FIBRA”. Ciênc. saúde coletiva. São Paulo. 2011.

ROTHER, Edna Terezinha. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paul. enferm. São Paulo, 2007.

SOUSA, Jerônimo et al. Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais em Portugal Riscos Profissionais: Fatores e Desafios. 2005, pp. 70.

SILVA, Tatiana Magalhães et al. “A vulnerabilidade do idoso para as quedas: análise dos incidentes críticos”. Rev. Elet. de Enferm. Goiás. 2007.

TEIXEIRA, Liliana Márcia Fernandes. “Solidão, depressão e qualidade de vida em idosos:um estudo avaliativo exploratório e implementação piloto de um projeto de intervenção”. Lisboa. 2010.

VANZELLA, Elidio, et al. “A Terceira Idade e o Mercado de Trabalho”. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. João Pessoa. 2011.

WICHMANN, Francisca Maria Assmann et al. “Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde”. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro. 2009, pp. 821-832.

Publicado
2018-04-03
Como Citar
FERRAZ, L.; PAULY, L.; BADALOTTI, R. M.; KOLHS, M. HOMEM IDOSO QUE TRABALHA NO CAMPO: VULNERABILIDADES INDIVIDUAIS, SOCIAIS E PROGRAMÁTICAS. Gênero & Direito, v. 7, n. 1, 3 abr. 2018.
Seção
Saúde, Gênero e Direito