PERCEPÇÃO DA (AUTO)IMAGEM GERACIONAL PELOS JOVENS DE ENSINO MÉDIO DE TEIXEIRA DE FREITAS/ BA, PELA TÉCNICA DOS MAPAS MENTAIS

Autores

  • Lilian Reichert Coelho
  • Emerson da Silva Mendes

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2019v8n5.48620

Palavras-chave:

Imagens de si. Território. Juventude. Subjetividades.

Resumo

O presente trabalho objetivou compreender a percepção do/as jovens de Teixeira de Freitas/BA sobre o município onde residem. Nesse sentido, o problema de pesquisa efetivou-se a partir do questionamento sobre os modos como os/as jovens moradores/as de diferentes bairros da cidade de Teixeira de Freitas/BA constroem suas subjetividades em relação ao espaço urbano e como percebem a alteridade em relação a outros/as jovens. Como procedimentos metodológicos, utilizamos a técnica de análise da produção de mapas mentais, além da realização de entrevista coletiva. Concluiu-se que a juventude teixeirense explora de forma segregatória os espaços abrangidos pelo território, seja com base nos índices de violência que insistem em permear as relações sociais, criando ruídos onde poderia haver troca e diálogo, seja por experiências pregressas que vivenciaram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Reichert Coelho

Docente da Universidade Federal do Sul da Bahia; Doutora em Letras (Literatura Contemporânea) pela Universidade Federal da Bahia (2009); Mestra em Estudos Literários pela UNESP-Araraquara (2000); Graduada em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (1998);

Emerson da Silva Mendes

Discente do Programa de Pós-Graduando Lato Sensu em Gênero e Sexualidade na Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); Graduação em andamento no Curso de Bacharelado em Direito pela Universidade Federal do Sul da Bahia; Bacharel Interdisciplinar em Humanidades pela Universidade Federal do Sul da Bahia (2017).

Referências

Archela, Rosely Sampaio; Gratão, Lucia Helena B.; Trostdorf, Maria A.S, 2010. O lugar dos mapas mentais na representação do lugar. GEOGRAFIA. Londrina, v. 13, n. 1, p. 127-142.

Andrade, José Eduardo de; Rodrigues, Júlia Alves Marinho, 2008. Ação pública para a juventude. Cadernos Cenpec. Nova série, v. 3, n. 5.

Cury, Beto, 2009. Os muitos desafios da política nacional de juventude. In: Avritzer, Leonardo (org.). Experiências nacionais de participação social. São Paulo: Cortez.

Cruz, Ana Carolina Dias; Arruda, Angela, 2008. Por um estudo do ausente: a ausência como objetivação da alteridade em mapas mentais do Brasil. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 8, n. 3.

Ferreira, Ignez Ferreira Costa Barbosa; Penna, Nelba Azevedo, 2011. Território da violência: um olhar geográfico sobre a violência urbana. GEOUSP: espaço e tempo, n. 18, p. 155-168. Disponível eh:<http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/73979>. Acessado em: maio de 2016.

Flick, Uwe, 2009. Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução. Joice Elias Costa. 3.ed. Porto Alegre, RS: Artmed.
Hall, Stuart, 2006. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro – 11. ed – Rio de Janeiro: DP&A.

Kozel, Salete, 2016. As linguagens do cotidiano como representações: uma proposta metodológica possível. Disponível em:< http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Teoriaymetodo/Metodologicos/04.pdf>. Acesso em: maio de 2016.

____, 2010 .Representação do espaço sob a ótica, dos conceitos: mundo vivido e dialogismo. Anais do Encontro nacional de Geógrafos. Porto Alegre.

_____, 2007. Mapas mentais – uma forma de linguagem: perspectivas metodológicas. In: Costa e Silva, J.; Gil Filho, S. F. (orgs.). Da Percepção e cognição à representação:Reconstruções teóricas da Geografia Cultural e Humanista. São Paulo: Terceira Margem, 2007. p.114-138.

Koopmans, José, 2006. Além do eucalipto: o papel no Extremo Sul. Cadernos do CEA - Revista Crítica de Humanidades. UCSAL, Salvador. Disponível em: https://cadernosdoceas.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/view/180 Acesso em 20 de janeiro de 2018.

Lima, Angélica Macedo Lozano; Kozel, Salete, 2009. Lugar e mapa mental: uma análise possível. GEOGRAFIA, Londrina, v. 18, n. 1, p. 207-231.

Oliveira, Nilza. A. S. Mapas Mentais, 2007. Uma forma de representar a compreensão e interpretação do lugar. Disponível em: <http://www.neer.com.br/anais/NEER-2/Trabalhos_NEER/Ordemalfabetica/Microsoft%20Word%20-%20NilzaApdaSilvaOliveira.ED2I.b.pdf>. Acesso em: maio de 2016

Raffestin, Claude, 1993. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática.

Rocha, Daniel, 2015. Alguns fatos históricos da cidade de Teixeira de Freitas. Disponível em: <http://www.teixeiradefreitas.ba.gov.br/n/?page_id=348>. Acesso em: maio de 2016.

Santos, Milton, 1978. Por uma Geografia Nova. São Paulo: Hucitec/Edusp.

Tuan, Yi-Tu, 1980. Topofilia – um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo, Rio de Janeiro: Difel

Publicado

2019-10-27

Como Citar

REICHERT COELHO, L. .; DA SILVA MENDES, E. . PERCEPÇÃO DA (AUTO)IMAGEM GERACIONAL PELOS JOVENS DE ENSINO MÉDIO DE TEIXEIRA DE FREITAS/ BA, PELA TÉCNICA DOS MAPAS MENTAIS . Gênero &amp; Direito, [S. l.], v. 8, n. 5, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2019v8n5.48620. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ged/article/view/48620. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

Direitos Humanos e Políticas Públicas de Gênero