O PAPEL DA DOGMÁTICA PENAL E DA SOCIOLOGIA JURÍDICA NA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

  • Iara de Souza IDP
Palavras-chave: Dogmática Penal; Sociologia Jurídica; dissemetria de poder; política pública; violência contra a mulher.

Resumo

A partir do olhar sociojurídico e de categorias teóricas como dissemetria de poder, dominação, Dogmática Penal e Política pública, o presente artigo problematiza a efetiva internalização da igualdade de gênero pelos acusados de violência contra a mulher. Para tanto apresenta dados de uma pesquisa empírica realizada no Distrito Federal sobre a percepção do apenado sobre o respeito a mulher.

Referências

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Por que a criminologia (e qual criminologia) é importante no Ensino Jurídico? UNISUL de fato e de direito. Ano III, n. 6, jan/jun, p. 179-183, 2013.
AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli. Criminalidade e justiça penal na América Latina. Sociologias. Porto Alegre, ano 7, n. 13, jan/jun 2005, p. 212-241.
BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2002.
BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.
________________ Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.
________________ Razões Práticas. Campinas: Papirus, 1996.
________________ Questões de Sociologia. Fim de Século: Lisboa, 2003.
COUTINHO, Diogo R. O direito nas políticas públicas. In: MARQUES, Eduardo; FARIA, Carlos Aurélio Pimenta de (orgs) A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo: UNESP, 2013, p. 181-200.
GARCIA, Margarida. Novos horizontes epistemológicos para a pesquisa empírica em Direito: “descentrar” o sujeito, “entrevistar” o sistema e dessubstancializar as categorias jurídicas. Revista de Estudos Empíricos em Direito. V. 1, n. 1, jan 2014, p. 182-209.
GODOY, Rosa Maria. Rosa Maria Godoy Serpa da Fonseca Rebeca Nunes Guedes.Versão ampliada do trabalho apresentado na mesa redonda “Violência doméstica: um olhar de gênero” na 63 Reunião Anual da SBPC, Goiânia, 14 de julho de 2011.
MELLO, Marília Montenegro Pessoa de. A Lei Maria da Penha e a força simbólica da “nova criminalização” da violência doméstica contra a mulher. Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI. Fortaleza, 2010, p. 936-950.
MATOS, Maria Izilda S. de. Da invisibilidade ao gênero: percursos e possibilidades nas ciências sociais contemporâneas. Margem. São Paulo, n. 15, p. 237-252, JUN. 2002.
PIMENTEL, Silvia; SCHRITZMEYER, Ana Lucia Pastore; PANDJIARJIAN, Valéria. Estupro: direitos humanos, gênero e justiça. Revista USP, n. 37, p. 58-69, março/maio 1998.
RIBEIRO, Dominique de Paula. Violência contra a mulher: aspectos gerais e questões práticas da Lei n. 11.340/2006. Brasília: Gazeta Jurídica, 2013.
SILBEY, Susan S. Making a Place for Cultural Analyses of Law. 17 Law & Soc. Inquiry 39, 1992.
_____________; EWICK, Patricia. Conformity, Contestation, and Resistance: An Account of Legal Consciousness. 26 New Eng. L. Rev. 73, 1992.
SOUZA, Jessé. O que é a “dignidade humana”? Acerca da importância dos direitos sociais em uma sociedade desigual. In: TOLEDO, Cláudia (org). Direitos sociais em debate. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013, p. 127-157.
VILLEGAS, Maurício García. Sociología y crítica del derecho. México: Fontamara, 2010.
Publicado
2020-02-20
Como Citar
DE SOUZA, I. O PAPEL DA DOGMÁTICA PENAL E DA SOCIOLOGIA JURÍDICA NA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. Gênero & Direito, v. 9, n. 2, 20 fev. 2020.
Seção
Direitos Humanos e Políticas Públicas de Gênero