NARRANDO A QUEDA: TEMPORALIDADE E TRAUMA EM UM ROMANCE DE MICHEL LAUB

  • Laura Assis Doutoranda (PUC-Rio). Supervisão: Prof. Dr. Karl Erik Schollhammer (PUC-Rio).

Resumo

A trama de Diário da queda¸ romance de Michel Laub publicado em 2011, é construída em torno de três gerações de uma família judia; três personagens cujas existências são definidas por seus traumas do passado. Esses traumas são o mote da narrativa e têm influência direta na maneira como a história é contada, ou seja, no nível da enunciação do discurso e também no encadeamento dos eventos relatados. O objetivo deste trabalho é, portanto, investigar de que maneira a questão do trauma está ligada à temporalidade no livro, atuando na dimensão episódica da narrativa e, ainda, motivando determinadas características específicas na linguagem do romance. Essa análise terá como aporte teórico, principalmente, as ideias relacionadas à temporalidade da narrativa propostas por Peter Brooks em Reading for the Plot (1984) e Paul Ricoeur em Tempo e narrativa (1983), além de questões ligadas à narração do trauma levantadas por Márcio Seligmann-Silva (2003) e à vertente do realismo traumático proposta por Hal Foster (2005).

Biografia do Autor

Laura Assis, Doutoranda (PUC-Rio). Supervisão: Prof. Dr. Karl Erik Schollhammer (PUC-Rio).
Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Publicado
2013-12-18
Como Citar
ASSIS, L. NARRANDO A QUEDA: TEMPORALIDADE E TRAUMA EM UM ROMANCE DE MICHEL LAUB. Revista Graphos, v. 15, n. 2, p. 57-62, 18 dez. 2013.
Seção
Artigos do Dossiê