Ler, indexar, representar: o poder que subjaz à ordem das escolhas

  • Alzira Tude de Sa Instituto de Ciencia da Informação/Universidade federal da bahia

Resumo

Este trabalho busca analisar o processo de indexação e representação do conhecimento, propondo-se a refletir sobre o ato de indexar como um ato de leitura, como uma ordenação arbitrária do “universo,” partindo do princípio de que qualquer sistema de classificação reflete, de um modo mais ou menos declarado, um sistema de ordenamento do conhecimento e sobre a representação como uma escolha na qual subjaz o poder tirânico da exclusão e o peso da ausência. Aponta para o sentido oculto das palavras, para a questão semântica e polissêmica a qual estão histórica e culturalmente sujeitas, reflete sobre a responsabilidade, o compromisso e o papel do bibliotecário como mediador e da biblioteca como guardiã da memória e repositório do conhecimento. Como responsável que é pela representação, disseminação, transmissão da cultura e dos saberes e, como testemunha das rupturas da tradição, da superação e/ou adesão de novas técnicas e tecnologias, a biblioteca se impõe como um lugar de diálogo com o passado, lugar de criação e inovação. Este estudo debruça-se e analisa ainda sobre os conceitos de leitura e leitor, apontando para as circunstâncias sócio-históricas que determinam a sua constituição e para a influência sobre eles exercida por toda proposta de organização e representação do conhecimento. Palavras-chave: Leitura. Indexação. Representação do conhecimento.

Biografia do Autor

Alzira Tude de Sa, Instituto de Ciencia da Informação/Universidade federal da bahia
Departamento de Processos Informacionais/UCI/UFBA
Publicado
2013-12-19
Seção
Pesquisas em andamento