Auto-arquivamento e acesso aberto: deveres e direitos digitais na sociedade em rede

  • Rodrigo Duarte Ferrari Universidade Federal de Santa Catarina
  • Giovani De Lorenzi Pires Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Este artigo é o produto de uma investigação sobre o auto-arquivamento em repositórios digitais como uma relação de direitos e deveres no contexto da sociedade em rede e do acesso aberto. Partimos de um estudo de caso sobre a percepção de pesquisadores brasileiros sobre os usos e propósitos do Repositório Institucional da Rede CEDES (RIRC). Isto criou condições para observar e refletir sobre o compromisso social e político dos pesquisadores da Rede CEDES em organizar e disponibilizar as produções dessa ação ministerial em acesso aberto. Realizamos dez entrevistas com os pesquisadores da Rede CEDES no período de 19/11/2010 até 14/09/2011 e utilizamos algumas estatísticas do RIRC e da própria rede como dados. Nesse texto, apresentamos uma discussão sobre o auto-arquivamento no RIRC a partir de três conceitos principais: distribuição coletiva; inteligência coletiva, cultura participativa. Como resultado desta pesquisa, observamos que há contradições entre um discurso pautado pelas qualidades ideais dos repositórios digitais e do acesso aberto em contraste com a prática efetiva que deveria materializar esse discurso.

Palavras-chave: Auto-arquivamento. Acesso aberto. Repositórios digitais.

 

Link para o texto completo (PDF)

http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/3874

Biografia do Autor

Rodrigo Duarte Ferrari, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina
Giovani De Lorenzi Pires, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutor em Educação Física/Ciências do Esporte (UNICAMP, 2001)
Publicado
2014-12-30
Seção
Resumos de artigos científicos