Padrão especial de disseminação de dados (SDDS): uma introdução

  • Tatiane dos Santos de Feitas Lopes UNESP MARILIA
  • Edberto Ferneda UNESP-MARILIA

Resumo

Com a crescente quantidade de informação disponibilizada na Web, a busca e a recuperação de informação nesse ambiente torna-se cada vez dependente de ferramentas eficientes e eficazes. A efetiva recuperação de recursos informacionais na Web depende de uma representação adequada de tais recursos. Os padrões de metadados permitem que um determinado recurso informacional seja não só identificado e representado, mas também que ele possa ser compartilhado por uma determinada comunidade. Metadados estão presentes nos sistemas de informação em uma variedade de tipos e níveis. Sua utilização adequada ao tipo e às características da informação garantem uma recuperação mais eficiente. Este trabalho tem por objetivo apresentar o padrão de metadados denominado Padrão Especial de Disseminação de Dados (SDDS) e compará-lo frente a outros padrões já consolidados, tais como o MARC e o Dublin Core. O SDDS foi criado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no ano de 1996 para orientar os seus membros na publicação de dados estatísticos da economia de seus países. Embora pouco conhecido e com rara bibliografia disponível, o SDDS possui fundamental importância para o compartilhamento e a transparência de informações e dados relacionados à economia mundial.

Palavras-chave: Padrão de Metadados, Padrão Especial de Disseminação de Dados, Recuperação de Informação

 

Biografia do Autor

Tatiane dos Santos de Feitas Lopes, UNESP MARILIA
CIENCIA DA INFORMAÇÃO 
Edberto Ferneda, UNESP-MARILIA
 
Publicado
2016-04-11
Seção
Artigos de revisão