A fotografia como documento arquivístico e seu lugar nos arquivos municipais: o Arquivo Público da cidade de Belo HorizonteA fotografia como documento arquivístico e seu lugar nos arquivos municipais: o Arquivo Público da cidade de Belo Horizonte

  • Suellen Alves de Melo UFMG
  • Ivana Denise Parrela UFMG

Resumo

Este trabalho apresenta um estudo de caso sobre o lugar que a fotografia ─ enquanto documento arquivístico ─ enquanto documento arquivístico ─ ocupa nos Arquivos municipais. O cenário da pesquisa é o Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte. Abordam-se o percurso das fotografias produzidas pela administração pública de Belo Horizonte,  o quantitativo dos registros fotográficos custodiados pela instituição arquivística em questão e as possibilidades e desafios advindos da custódia destes. O estudo aponta que até possibilidades e desafios advindos da custódia destes. O estudo aponta que até 2015 o Arquivo possuía 828.031 fotografias, a maior parte composta registros digitais. ros digitais. Pontua-se que todas as fotografias do Poder Executivo da administração de Belo Horizonte possuem guarda permanente. Nesse sentido, questiona-se o Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte não estaria atribuindo um valor extremo às fotografias e, por outro lado, se possui recursos recursos humanos, materiais e financeiros para preservar e promover o acesso às fotografias digitais. O trabalho constatou que  o Arquivo consegue assegurar que as fotografias por ele custodiadas sejam consideradas documentos arquivísticos, visto que são compreendidas no âmbito de seu conjunto documental, a partir de seu contexto de produção (órgão produtor e atividade).

Plavras-chave: Fotografia. Documento Arquivístico. Arquivos Municipais. Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte.

Link: https://agora.emnuvens.com.br/ra/article/view/669/pdf

Biografia do Autor

Suellen Alves de Melo, UFMG
UFMG
Ivana Denise Parrela, UFMG
UFMG
Publicado
2018-06-28
Seção
Resumos de artigos científicos