Defender a escola das pedagogias contemporâneas

  • Julio Groppa Aquino Universidade de São Paulo

Resumo

Valendo-se da obra Em defesa da escola como fio condutor das reflexões apresentadas, este artigo percorre inicialmente um arco argumentativo que engloba tanto a contestação das práticas escolares quanto sua apologia, passando por uma breve digressão acerca do trabalho crítico proposto por Michel Foucault, ao qual as discussões se alinham do ponto de vista teórico. Seu objetivo específico é a aproximação descritiva de alguns enunciados em circulação na contemporaneidade pedagógico-escolar, por meio da análise da obra fílmica Quando sinto que já sei, documentário brasileiro de 2014 constituído por depoimentos de alunos, educadores e idealizadores de experiências escolares ditas alternativas. A título de esconjuro de determinados expedientes pedagógicos tidos como tradicionalistas, o filme centra-se na proposição de estratégias supostamente inovadoras de aprendizagem, de vinculação entre seus protagonistas e destes com a ambiência escolar, apontando para uma acentuada transfiguração da normatividade típica das práticas pedagógicoescolares. Como contraponto ao ideário subjacente ao filme e a par de um ceticismo vitalista, o artigo propõe, em suas considerações finais, uma educação pelo arquivo, com vistas a um desbloqueio das forças instituintes do éthos escolar e, sobretudo, da palavra docente.

Palavras-chave: Michel Foucault. Escola. Pedagogia. Documentário. Arquivo

Link: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8648729/16858

Biografia do Autor

Julio Groppa Aquino, Universidade de São Paulo
Doutorado em Psicologia - Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo, SP - Brasil. Graduação em Psicologia - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professor - Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo, SP - Brasil.
Publicado
2018-06-28
Seção
Resumos de artigos científicos