Aproximações entre o livro e o jornal: a tradição do rodapé literário na imprensa paulistana na década de 1940

  • Mônica Rodrigues Nunes Universidade de São Paulo

Resumo

O rodapé de crítica literária, adotado pelos grandes jornais brasileiros por influência francesa, teve seu auge no decênio de 1940, quando quase todos os jornais paulistanos mantinham uma rubrica no pé da página. Com objetivo de entender como se configuravam estes espaços, o corpus de análise selecionado para este estudo circunscreveu-se aos rodapés publicados por três jornais paulistanos de grande circulação e prestígio: Folha da Manhã, Correio Paulistano e O Estado de S. Paulo. Amparado em pesquisa bibliográfica e qualitativa, este texto aponta que os rodapés de crítica literária, feitos, em quase sua totalidade, por homens de letras, se apresentavam como espaços que marcavam o desenvolvimento das obras, os rumos do mercado editorial, as tendências literárias e artísticas, relatos de experiência e, em menor grau, de debate político.

Palavras-Chave: Rodapé literário. jornais paulistanos. livros. mercado editorial

Link: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/45487/25671

Biografia do Autor

Mônica Rodrigues Nunes, Universidade de São Paulo
Jornalista formada pelo Centro Universitário do Triângulo (2000), mestre (2003) e doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (2007). Realizou estágio de doutorado na Universidad Complutense de Madrid (2005). Professora da ECA/USP.
Publicado
2018-11-16
Seção
Resumos de artigos científicos