Ativação e consumo digital no Museu de Favela

  • Monica Machado Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Antônia Soares Museu de Favela do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho

Resumo

Este artigo objetiva investigar o engajamento digital no Museu de Favela, na comunidade do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho, no Rio de Janeiro. O campo conceitual é a Antropologia digital, compreendida na Inglaterra como subdisciplina da Antropologia por Horst e Miller (2012). Os autores salientam que o ativismo digital é um sistema de mediação cultural, associado às experiências culturais precedentes. A análise é também orientada por Geismar (2012), que define o digital no contexto dos museus, compreendendo-o como parte de uma longa história de seleção, classificação e representação da humanidade e da cultura material. O debate se desdobra para o estudo de como as memórias pessoais, coletivas e culturais são reeditadas na linguagem digital do Museu de Favela. Compreendemos que as cosmologias são singulares em cada contexto cultural específico, por isso investimos em um estudo de caso que reflita como a concepção de um museu social é partilhada e consumida nas redes e plataformas digitais.

Palavras-Chave: Museu de Favela. Digital e museu. Ativismo digital.

Link do artigo:  http://memoriaeinformacao.casaruibarbosa.gov.br/index.php/fcrb/article/view/35

Biografia do Autor

Monica Machado, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Programa de Pós-Graduação Eicos – IP - UFRJ. Doutora em Comunicação e Cultura (ECO - UFRJ), com pós- doutorado em Antropologia digital na University College London (UCL – UK).

Antônia Soares, Museu de Favela do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho

Diretora-Presidente do Museu de Favela do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho.

Publicado
2019-04-01
Seção
Resumos de artigos científicos