Registro/documento: fotografia na obra de arte contemporânea

  • Bruno Cezar Rodrigues Universidade de São Paulo
  • Giulia Crippa Universidade de São Paulo

Resumo

O presente artigo tem como intuito apresentar algumas discussões quanto aos registros em arte contemporânea, em especial a fotografia. Esses registros são musealizados como documento ou como obra de arte? Embora possuam a função documental, eles muitas vezes podem ser considerados uma extensão da obra de arte registrada, bem como podem, em certa medida, tornar-se autônomos e ser considerados outra obra de arte ou a obra de arte em si. Isso, muitas vezes, vai depender da função que lhes é atribuída ou mesmo da intenção do artista. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo com base em estudo exploratório, a respeito do qual se apresentam algumas considerações apontadas na literatura proposta. A partir dos estudos realizados, observa-se que as fotografias, um dos meios de registro mais utilizados em arte contemporânea, possuem a dupla função de ser registro/documento e obra de arte. Desse modo, pode haver dúvida no momento da guarda.

Palavras-chave: Arte contemporânea. Documento. Fotografia. Musealização.

Link: http://www.scielo.br/pdf/tinf/v30n1/2318-0889-tinf-30-1-0015.pdf

Biografia do Autor

Bruno Cezar Rodrigues, Universidade de São Paulo
Escola de Comunicações e Artes, Departamento de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo, SP, Brasil.
Giulia Crippa, Universidade de São Paulo
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências de Ribeirão Preto, Curso de Ciências da Informação e da Documentação.
Publicado
2019-06-05
Seção
Resumos de artigos científicos