Políticas públicas de preservação do patrimônio cultural no Brasil e o papel social do bibliotecário

  • Admeire da Silva Santos Sundström Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).

Resumo

A política pública no Brasil apresenta estudos recentes e constitui um campo interdisciplinar no momento de construir suas análises. Neste texto, as políticas analisadas são voltadas para preservação do patrimônio cultural, assim, questiona-se: qual o papel do bibliotecário diante das mudanças ocorridas na implementação nacional da preservação do patrimônio cultural? O cerne desta comunicação consiste em situar o papel desse profissional diante da abrangência das singularidades culturais presente, atualmente, nas políticas e explicar as consequências delas, no modo de constituição da memória coletiva. O método utilizado é o de revisão sistemática de literatura e será feita a análise do conteúdo dessas políticas em diálogo com a função do bibliotecário e como este poderia atuar no papel de agente nas políticas públicas, para fomentar a autonomia social. Discute também a presença da memória coletiva, os agentes antes responsáveis pelo estabelecimento do patrimônio, o caráter autoritário no tombamento e a pressão internacional para a inserção das pluralidades culturais nos patrimônios histórico-artístico-cultural do Brasil. O resultado apresenta os possíveis diálogos e ações, para que o profissional da informação possa dialogar, diante das singularidades, e mediar à informação necessária para a consolidação da participação popular na constituição do patrimônio e da memória coletiva.  Palavras-chave: Políticas públicas. Patrimônio Cultural. Bibliotecário. Profissional da Informação. Memória coletiva.

Link: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1155

Biografia do Autor

Admeire da Silva Santos Sundström, Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).

Doutoranda em Ciência da Informação pela Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).

Publicado
2019-11-25
Seção
Resumos de artigos científicos