Biblioteca prisional e a leitura nos espaços de privação de liberdade

  • Amabile Costa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Camila Monteiro de Barros Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

O trabalho enfatiza o papel das bibliotecas prisionais na mediação da leitura e da informação. Essas bibliotecas são unidades que disponibilizam às pessoas privadas de liberdade o acesso à informação e, consequentemente, dão suporte ao desenvolvimento humano e à geração de conhecimentos que podem proporcionar a conscientização tanto dos reeducandos quanto da comunidade carcerária como um todo a respeito de aspectos sociais, religiosos, pessoais, culturais, literários, entre outros. Evidencia, também, a atuação dos bibliotecários no âmbito dos espaços de privação de liberdade, apresentando os papéis das bibliotecas prisionais, bem como sua competência. Conclui que a democratização do acesso à informação nos espaços de privação de liberdade é tema relevante e papel inerente às bibliotecas prisionais. Também aponta que as diretrizes a serem seguidas por esse tipo de biblioteca, como serviços e desenvolvimento de coleções, são diferentes daquelas seguidas por outras unidades e informação, dadas as características do contexto em que atua.

Palavras-chave: Biblioteca prisional. Leitura. Espaços de privação de liberdade. Cárcere.

Link: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1602/pdf

Biografia do Autor

Amabile Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduada em Biblioteconomia Habilitação em Gestão da Informação pela Universidade do Estado de Santa
Catarina (UDESC). Mestranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da
Informação (PGCIN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Camila Monteiro de Barros, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Departamento de Ciência da Informação e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da
Informação (PGCIN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Publicado
2020-03-10
Seção
Resumos de artigos científicos