Patrimônio documental e a memória da cidade: considerações acerca da gestão da memória em Montes Claros, Minas Gerais

  • Filomena Luciene Cordeiro Reis
  • Juliano Gonçalves de Aquino

Resumo

A pesquisa discutiu a relevância dos arquivos públicos municipais enquanto lugares de memória de Montes Claros, Minas Gerais, em especial o Arquivo do poder executivo. Traçou um panorama de constituição desta instituição arquivística até os dias atuais com intuito de investigar e mostrar o contexto de sua criação e a existência de uma política de preservação cultural atuante no Município. O estudo objetivou expor a gestão da memória local por meio da preservação do seu patrimônio documental, especificamente da Prefeitura Municipal. A metodologia adotada para realização da pesquisa consistiu na discussão teórico-metodológica acerca do assunto, bem como análise e interpretação de documentos que narram a história do referido Arquivo e, consequentemente da cidade. Dialogamos com análises historiográficas na tentativa de detectar as nuances da preservação da memória nas cidades, enfocando a memória arqueologizada no patrimônio documental de Montes Claros. Os resultados apontados constataram a importância desse órgão de documentação para a (des)(re)construção das histórias de um lugar e de seus sujeitos por meio da preservação e conservação do patrimônio documental, pois, sem ele, o homem perde alguns dos seus referencias enquanto cidadão. Preservar documentos públicos é também conservar a memória e o direito de ser cidadão.

Palavras-chave: Patrimônio Documental. Memórias. História. Lugares de Memória. Cidades.

Link: https://agora.emnuvens.com.br/ra/article/view/793

Publicado
2020-03-27
Seção
Resumos de artigos científicos