Uso da informação e tecnologia para traçar o perfil epidemiológico de crianças portadoras de hanseníase no estado da Paraíba utilizando o repositório DATASUS.

Resumo

Neste século a informação é considerada de grande relevância. Os gestores e os técnicos usando as informações, e eventualmente fazendo uso de tecnologias de processamento, podem criar perfis epidemiológicos e subsidiar a construção de políticas públicas pertinentes para cada região. A pesquisa objetiva determinar a situação epidemiológica da hanseníase na Paraíba em menores de 15 anos, através dos dados disponíveis no repositório DataSUS. É um estudo epidemiológico, descritivo e retrospectivo, de  caráter quantitativo, tendo como população do estudo todos os casos de hanseníase em crianças com idade   igual ou menor a 15 anos do Estado da Paraíba, diagnosticados e notificados no SINAN, durante o período de 2010 a 2015. Foram encontrados 207 casos novos (CN) de hanseníase em crianças, sendo registradas 6% (13) crianças com idades de 1 a 4 anos, 34,1% (74) crianças de 5 a 9 anos e 59,9% (130) crianças com idades de 10  a 14  anos. Estes dados comprovam o nível endêmico da doença no Estado da Paraíba no período avaliado, deixando clara a necessidade de buscar ativamente casos suspeitos nos menores de 15 anos e que os profissionais de saúde voltem sua atenção a estas faixas etárias, visando à detecção precoce e oportuna dos casos.

Palavras-chave: Tecnologia e Informação. DataSUS. Perfil Epidemiológico. Hanseníase.

Link: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/43517/100130 

Biografia do Autor

Nathalia Barros Meneses, Universidade Federal da Paraíba.

Especialista em Fisioterapia Neonatal e Pediátrica. Centro Universitário de João Pessoa : João Pessoa , Paraíba , BR

 
Pollianna Marys de Souza e Silva, Universidade Federal da Paraíba.
Doutoranda em Ciência da Informação (UFPB)
Publicado
2020-09-21
Seção
Resumos de artigos científicos