Mestrado Profissional na Área do Direito: uma Perspectiva Humanista

Autores

  • José Fernando Vidal de Souza Universidade Nove de Julho
  • Ana Carolina Godoy Tercioti IBDFAM

Palavras-chave:

Mestrado Profissional, Direito, Mercado, Empresas e Corporações, Humanismo

Resumo

O presente artigo se propõe a examinar o mestrado profissional, recente modalidade instituída na Pós-Graduação stricto sensu brasileira, que visa a capacitação de profissionais, nas diversas áreas do conhecimento. Para muitos essa nova modalidade deve estar voltada para o mercado e para a competitividade e produtividade das empresas e organizações. No entanto, a proposta é enfatizar o papel humanista do mestrado profissional. Para tanto, com o emprego do método dedutivo e de pesquisa bibliográfica, demonstra-se que a construção de um modelo mestrado profissional, no âmbito do Direito, também exige um olhar crítico que propicie uma análise aprofundada das transformações sociais vigentes, para combater a opressão, a exploração dos mais necessitados, com a consagração de direitos e a implantação efetiva do direito a todos e, não apenas para atender aos interesses do mercado e das empresas e corporações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Fernando Vidal de Souza, Universidade Nove de Julho

Pós-doutor pelo CES da Universidade de Coimbra (2007). Pós-doutor pela UFSC (2013). Mestre (1997) e Doutor (2003) em Direito pela PUC-SP. Especialista em Ciências Ambientais pela USF (2000). Bacharel em Direito (1986) e Filosofia (2011) pela PUCCAMP. Professor da UNINOVE e da UNIP. Promotor de Justiça do MPSP.

Ana Carolina Godoy Tercioti, IBDFAM

Mestra em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2015). Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2010). Possui Especialização, Pós-Graduação lato sensu, em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012). Advogada. Associada do IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito de Família).

Referências

BATISTA, Eraldo Leme; MÜLLER, Meire Terezinha (orgs.). A educação profissional no Brasil. Campinas, SP: Editora Alínea, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Paulo Freire, educar para transformar: fotobiografia. São Paulo: Mercado Cultural, 2005.

BRASIL. CAPES. Conheça os programas de mestrado profissional recomendados pela Capes. Disponível em:<http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/04/conheca-programas-de-mestrado-profissional-recomendados-pela-capes>. Acesso em: 13. abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 29/2002. Publicado no D.O.U. de 13/12/2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/cp29.pdf>. Acesso em: 15. out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2011-2020. Brasília: CAPES, 2010. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/Livros-PNPG-Volume-I-Mont.pdf> e <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/PNPG_Miolo_V2.pdf>. Acesso em: 10. out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Normativa nº. 17, de 28 de dezembro de 2009. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/PortariaNormativa_17MP.pdf> Acesso em: 10.out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº. 389, de 23 de março de 2017. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/24032017-PORTARIA-No-389-DE-23-DE-MARCO-DE-2017.pdf>. Acesso em: 13.abr.2017.

BRASIL. Plataforma Sucupira - Dados Cadastrais do Programa. Disponível em: <https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/listaPrograma.jsf> Acesso em: 13.abr. 2017.

BRASIL. Plataforma Sucupira - Dados Quantitativos de Programas Recomendados e Reconhecidos. Disponível em: <https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/quantitativos/quantitativoAreaAvaliacao.jsf. Acesso em: 13.abr. 2017.

CAPELLA, Juan Ramon. Sobre a extinção do Direito e a supressão dos juristas. Coimbra: Centelha, 1977.

CUNHA, Luiz Antônio Constant Rodrigues da.O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Flacso, 2000.

DEMO, Pedro. Educação & Conhecimento: relação necessária, insuficiente e controversa. Petrópolis: Vozes, 2000.

FISCHER, Tânia. Seduções e riscos: a experiência do mestrado profissional. Revista adm. empres., São Paulo, v. 43, n. 2., jun. 2003.Tréplica – Reimaginar a pós-graduação: resgatando o elo perdido. RAC, Curitiba, v. 14, n. 2, pp. 372-376, março/abril, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n2/v14n2a13.pdf>. Acesso em: 15. out. 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 23ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

FREIRE, Paulo Educação como prática da liberdade. 19ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FREITAG, Barbara. Escola, Estado e Sociedade. 7ª ed. São Paulo: Centauro, 2005.

KRISHNAMURTI, Jiddu. A educação e o significado da vida. Lisboa: Edições 70, 2016.

LYRA FILHO, Roberto. O que é Direito, 5ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

MOREIRA, Vital. A ordem jurídica do capitalismo, 3ª ed. Coimbra: Centelha, 1978.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. 2ed. Rio de Janeiro: DP&A,2001.

RIOS, Mônica Piccione Gomes Rios; SOPELSA, Ortenila. Implicações das inovações curriculares do curso de pedagogia na educação básica. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 11, n. 01, abril de 2013.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Pensando o ensino do Direito no século XX!. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2005.

ROESLER, Claudia; MAUÉS, Antonio; SANTOS, Gustavo Ferreira. Construção do mestrado profissional em Direito no Brasil é um desafio. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-abr-20/construcao-mestrado-profissional-direito-desafio> Acesso em: 13. abr. 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Poderá o Direito ser emancipatório?. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007.

SOUZA, José Fernando Vidal de Souza. Conflitos entre o positivismo jurídico e questões ambientais no Brasil: em busca de um paradigma Emancipador.Anais do XX Congresso Nacional do CONPEDI-A Ordem Jurídica Justa: um diálogo Euroamericano. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2011, p. 3686-3745. Disponível em: <https://s3.amazonaws.com/conpedi2/anteriores/XX+Congresso+Nacional+-+UFES+Vit%C3%B3ria+-+ES+(16%2C+17%2C+18+e+19+de+novembro+de+2011).pdf>. Acesso em: 20.out. 2016.

VEJA. Técnicos, com muito orgulho. 02 de abril de 2014.

WARAT, Luís Alberto. A rua grita Dionísio! Direitos Humanos da Alteridade, Surrealismo e Cartografia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

WARAT, Luís Alberto; CUNHA, Rosa Maria Cardoso da.Ensino e saber Jurídico. Rio de Janeiro: Tijuca Eldorado, 1977.

WARAT, Luís Alberto; PÊPE, Albano M. Bastos. Filosofia do Direito uma introdução crítica. São Paulo: Editora Moderna, 1996.

WEMELINGER, Mônica; MACHADO, Maria Helena; AMÂNCIO FILHO, Antenor. Políticas de educação profissional: referências e perspectivas. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 55, p. 207-222, abril/junho, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40362007000200003&script=sci_arttext.

WOLKMER, Antonio Carlos. Introdução ao pensamento jurídico crítico. 3ª ed.São Paulo: Saraiva, 2001.

ZIENTARSKI, Clarice; OLIVEIRA, Oséias Santos de; PEREIRA, Sueli Menezes; SAGRILLO, Daniele Rorato; DRABACH, NeilaPedrotti; MORAES, Ana Paula Colares Flores. A educação, a escola e o seu papel na manutenção ou transformação social. Disponível em: . Acesso em 10. out. 2016.

Downloads

Publicado

2017-04-20

Como Citar

DE SOUZA, J. F. V.; TERCIOTI, A. C. G. Mestrado Profissional na Área do Direito: uma Perspectiva Humanista. Prim Facie, [S. l.], v. 15, n. 30, p. 01–36, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/primafacie/article/view/31693. Acesso em: 20 jul. 2024.