PARADA CARDIORESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO E PRÁTICA DE UMA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA

  • Cleyton Cézar Souto Silva
  • Aristofénes Rolim de Holanda

Resumo

Objetivos: Os objetivos deste estudo são conhecer a percepção dos profissionais de uma Equipe de Saúde da Família sobre parada cardiorrespiratória. Material e Métodos: Este estudo é do tipo exploratório, descritivo com abordagem quanti-qualitativa; realizado em uma Unidade de Saúde da Família de João Pessoa – PB. Foram seguidas as observâncias éticas da Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, e a coleta de dados foi realizada no mês de janeiro de 2010. Para a análise do banco de dados foram construídos, descritivamente, tabelas e gráficos com o auxílio dos recursos do Microsoft Excel 2007. Resultados: 80% dos entrevistados responderam que os primeiros sinais que evidenciam uma parada cardiorrespirátoria são apnéia, inconsciência, ausência de pulso carotídeo; 60% referiram que a ordem correta era respiração boca a boca/ circulação artificial pela compressão torácica externa/ desfibrilação precoce pelo uso de desfibriladores automáticos; 60% dos entrevistados referiram que a sequência assistencial correta para as manobras da ressuscitação cardiorrespiratória são 5 ciclos de 30 compressões para 2 ventilações; e 40% dos profissionais entrevistados nunca tiveram uma experiência com pacientes em parada cardiorrespiratória. Conclusão: Estes profissionais, apesar de possuírem conhecimentos técnicos e científicos, não possuem a prática reconhecida como necessária para o enfrentamento de uma situação de parada cardiorrespirátoria. DESCRITORES: Parada Cardíaca. Saúde da Família. Enfermagem.
Publicado
2011-09-29
Como Citar
Silva, C. C. S., & Holanda, A. R. de. (2011). PARADA CARDIORESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO E PRÁTICA DE UMA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 15(4), 447-454. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/view/10329
Seção
Pesquisa