AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DE DOCENTES, DISCENTES E LEIGOS SOBRE UTILIZAÇÃO DE DENTES EXTRAÍDOS E BANCO DE DENTES HUMANOS

  • Denis Pereira LEITE Graduando em Odontologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • Cledy Arlan Nogueira GALDINO Graduando em Odontologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • Iris Parente de Brito BEZERRA Graduando em Odontologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • Raonil Ribeiro de OLIVEIRA Graduando em Odontologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • João Maurício Torres de Matos GURGEL Cirurgião-dentista formado pelo curso de Odontologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • Rosângela Marques DUARTE Professora Associada do Departamento de Odontologia Restauradora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil.
  • Roberta Ferreti Bonan Dantas BATISTA Cirurgiã-dentista formada pela Faculdade de Odontologia de Araraquara, Universidade Estadual Paulista (UNESP). Mestre em Ciência e Engenharia de Materiais pelo Programa de Pós Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • Ana Karina Maciel ANDRADE Professora Adjunta do Departamento de Odontologia Restauradora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil.

Resumo

Objetivo: Avaliar o nível de conhecimento de docentes e de discentes do Curso de Odontologia e de leigos sobre utilização de dentes extraídos e Banco de Dentes Humanos. Material e Métodos: Foi realizado um estudo observacional e prospectivo. A amostragem foi de 50 indivíduos para discentes e leigos e de 32 docentes. Os critérios de inclusão do estudo foram alunos de graduação de odontologia do 1° ao 10º período, docentes do curso de Odontologia da Universidade Federal da Paraíba e pessoas da população em geral, que estavam nas dependências da Universidade. Os critérios de exclusão foram indivíduos vinculados de alguma forma ao Banco de Dentes Humanos da Universidade Federal da Paraíba. Os dados foram coletados através de questionários e submetidos à análise estatística descritiva. Resultados: Entre os leigos, 88% foram a favor da doação de órgãos, porém 80% não representavam “doadores de órgãos”. No que se refere ao conhecimento sobre o Banco de Dentes, 86% não sabiam da existência dele, porém 84% doariam seu dente extraído. Para 84% dos acadêmicos entrevistados, já havia sido solicitados dentes para uso laboratorial ou para pesquisa. Os dentes, por eles usados, foram obtidos através de diferentes meios, entre eles o BDH. Em relação aos docentes, 53,1% já solicitaram aos alunos dentes naturais para uso laboratorial ou para pesquisa na graduação. Conclusão: A desinformação dos leigos sobre a existência de Bancos de Dentes foi alta. Dentes extraídos foram solicitados na graduação para realizar atividades acadêmicas. Todos os discentes e os docentes consideraram importante a existência do Banco de Dentes para dar suporte ao ensino e à pesquisa. DESCRITORES: Doação Dirigida de Tecido. Dente. Questionários.

Biografia do Autor

Ana Karina Maciel ANDRADE, Professora Adjunta do Departamento de Odontologia Restauradora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil.
Departamento de Odontologia Restauradora Área: dentística UFPB
Publicado
2017-03-11
Como Citar
LEITE, D. P., GALDINO, C. A. N., BEZERRA, I. P. de B., OLIVEIRA, R. R. de, GURGEL, J. M. T. de M., DUARTE, R. M., BATISTA, R. F. B. D., & ANDRADE, A. K. M. (2017). AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DE DOCENTES, DISCENTES E LEIGOS SOBRE UTILIZAÇÃO DE DENTES EXTRAÍDOS E BANCO DE DENTES HUMANOS. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(2), 145-150. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n2.19284
Seção
Pesquisa