AUTOCONCEITO DE GÊNERO EM CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Karina Ingredy Leite da Silva

Resumo

Este trabalho de conclusão do Curso de Psicopedagogia objetivou analisar o desenvolvimento do autoconceito de gênero em crianças da educação infantil da Escola de Educação Básica da Universidade Federal da Paraíba nas interações livres com os seus pares. Realizou-se uma abordagem qualitativa, durante o segundo semestre de 2013, com observações participantes e não participantes de grupos de meninas, grupos de meninos e entre meninos e meninas interagindo juntos em um mesmo grupo. O procedimento analítico utilizado foi análise de conteúdo, incluindo as falas, movimentos corporais e espaciais, a partir das seguintes questões norteadoras: as crianças expressam o autoconceito de gênero em interações livres? As crianças demonstram uma construção de inequidade e tipificação de gênero? Verificou-se que as crianças da educação infantil já reproduzem as desigualdades entre os sexos, e que são os adultos mais próximos como as/os professores/as e cuidadores/as na escola e o pai e a mãe em suas casas os grandes contribuintes da construção do seu autoconceito de gênero, demonstrando que essa construção é alimentada pelo machismo, sexismo e homofobia, transmitidos principalmente através da linguagem, de atitudes e comportamentos. Observou-se que as crianças diariamente tipificam, classificam e discriminam lugares, cores, brinquedos, brincadeiras, jogos, comportamentos, espaços e tarefas de acordo com cada sexo, reforçando os valores pensados e impostos pela cultura hegemônica para modelos de feminilidade e masculinidade, internalizando e reproduzindo a inequidade de gênero. Portanto, para a escola desconstruir essas relações, linguagens, identidades e autoconceitos, precisa tornar-se um espaço plural, de igualdade e equidade de gênero, por meio de uma educação não sexista.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
LEITE DA SILVA, K. I. AUTOCONCEITO DE GÊNERO EM CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Revista Espaço do Currículo, v. 8, n. 2, 11.

Artigos mais lidos do (s) mesmo (s) autor (es)