A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: mediações na licenciatura em artes visuais

Palavras-chave: Formação de Professores. Artes Visuais. Mediação.

Resumo

O artigo analisa dimensões da formação de professores de arte no Estado do Espírito Santo (UFES), no período de 1997 a 2017. Os dados foram produzidos nas investigações do grupo de pesquisa (CNPq) Imagem, Tecnologias e Infâncias (GPITI), em colaboração com o Observatório da Formação de Professores no âmbito do Ensino de Arte (OFPEA/BRARG), em contextos vinculados à Universidade Federal do Espírito Santo. Como o curso de Licenciatura em Artes Visuais e o curso de Licenciatura em Educação do Campo, contribuem na implementação de políticas públicas de educação? Investiga a práxis de formação de professores de arte mediadas por dispositivos legais que orientam a formação docente no Brasil. Problematiza o currículo da licenciatura em face das lutas por educação pública para todos. Fundamenta a análise na categoria marxiano-lukacsiana das mediações, enquanto processos sociais que engendram práticas a partir dos contextos em que são produzidos. A formação de professores de arte é fomentada por políticas públicas e pela introdução de novas tecnologias de informação. Destaca-se o ingresso e participação de sujeitos advindos de contextos sociais diversos e suas culturas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gerda Margit Schutz Foerste, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do quadro permanente do Programa de Pós graduação em Educação /PPGE/CE/UFES.

 

Fernanda Monteiro Barreto Camargo, Universidade Federal do Espirito Santo

Professora da Licenciatura em Licenciatura em Educação do Campo - Linguagens e Pedagogia. - UFES. E-mail: fmbcamargo@yahoo.com.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8339-4911

Referências

BARBOSA, A. M. Teoria e Prática da Educação Artística. 4.ed. São Paulo: Cultrix, 1975. 115p.

______. A imagem do ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, Fundação IOCHPE, 1991, 134 p.

______. Arte-Educação: leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988. 24ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2000. (Coleção Saraiva de Legislação).

BRASIL, MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 5692 de 1971.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n°9394,de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL, LEI N° 13.005/2014. Plano Nacional de Educação- 2014-2024.Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485745/Plano+Nacional+de+Educa%C3%A7%C3%A3o+PNE+2014-2024++Linha+de+Base/c2dd0faa-7227-40ee-a520-12c6fc77700f?version=1.1 Acessado em abril de 2019.

BRASIL/Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL Resolução CNE/CP nº 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, Decreto Presidencial nº 6.040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília: Gabinete presidencial, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm Acesso em: 03 mai. 2019.

BRASIL. Portaria Normativa nº 9, de 30 de junho de 2009. Institui o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, Diário Oficial da União, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/port_normt_09_300609.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, MEC. Parecer 028 de 2001.Disponivel em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf. Acessado abril de 2019.

BRASIL, Lei nº 10.639, de 2003, Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acessado em maio de 2019.

BRASIL, Decreto nº 6040, de 2007, Instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidade Tradicionais,

BRASIL, Decreto nº 7,352, de 2010, Programa Nacional de

Educação na Reforma Agrária (PRONERA)

BRASIL Lei nº 12.711, de 2012, Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acessado em maio de 2019.

BRASIL, Lei nº 13.415, de 2017, Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html. Acessado em maio de 2019.

BRASIL, MEC/INEP. Censo do Professor 1997. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/487349. Acessado em maio 2019.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte/ Brasília: MEC/SEF, 1997. (1º e 2º Ciclos).

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte/ Brasília: MEC/SEF, 1998. (3º e 4º Ciclos).

BRASIL. Decreto Presidencial nº 9. 741 de 29 de março de 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9741.htm Acesso em: 29 abr. 2019.

BRASIL/ Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, Resolução CNE/CP nº 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, Decreto Presidencial nº 6.040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília: Gabinete presidencial, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm Acesso em: 03 mai. 2019.

BRASIL, Decreto Presidencial nº 9.465 de 02 de janeiro de 2019. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57633286 Acesso em: 29 abr. 2019.

BRASIL, Portaria Normativa nº 9, de 30 de junho de 2009. Institui o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, Diário Oficial da União, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/port_normt_09_300609.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

CALDART, R. S. Licenciatura em Educação do Campo e o projeto formativo: qual o lugar da docência por área? In: MOLINA, M. C.; SÁ, L. M. (Orgs.). Licenciaturas em Educação do Campo: Registros e reflexões a partir das experiências piloto. Belo Horizonte: Autêntica, 2011

CIAVATTA, M. e ALVES, N. (orgs.) A Leitura de Imagens na Pesquisa Social: história, Comunicação e Educação. São Paulo: Cortez, 2004.

ENTREVISTA concedida ao pesquisador por professor do Curso. 2019 (anônimo)

FERRAZ, M.H.C. de T. FUSARI, M.F. de R. e. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993 (Coleção magistério 2º grau, Série Formação do Professor).

FERRETTI C J., A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142018000200025. Acessado em abril de 2019.

FOERSTE, E. & SCHÜTZ-FOERSTE, G. M. Professores, Sem-Terra e Universidade: Qual parceria? In.: ANDRADE, Márcia R. et al. A educação na Reforma Agrária em perspectiva. São Paulo/Brasília:Ação Educativa/PRONERA, 2004, pp. 211-227.

FOERSTE, E. Pedagogia da Terra: Uma avaliação da experiência da Universidade Federal do Espírito Santo (Relatório final de pesquisa). São Paulo/Brasília: Ação Educativa/INCRA/PRONERA, 2004a.

______. Pedagogia da Terra: um estudo sobrea formação superior de professores do MST. ANPED, GT, Formação de professores 08, 2004b. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/27/gt08/t084.pdf Acesso: 29 abr.2019.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

______. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

______. Política e Educação: ensaios /Paulo Freire – 5 ed. São

Paulo: Cortez, 2001. (Coleção Questões de nossa época; v.23).

GATTI, B. A. Análises com vistas a um referencial para política de formação de professores para o ensino básico. Brasília: CONSED, 1996.

HERNÁNDEZ, F. Cultura Visual, Mudança Educativa e projeto de Trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

IAVELBERG, R. Para gostar de aprender arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2008.

LUKÁCS, G. As Bases Ontológicas do Pensamento e da Atividade do Homem. In:Temas de Ciências Humanas. São Paulo, n. 4 , p. 1-18, 1978

MARTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações:comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro,: Ed. UFRJ. 1997.

MARTINS, M. C. e PICOSQUE, G., GUERRA, M. T. Didática do Ensino da Arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer a arte. São Paulo: FTD, 1998.

MARX, K., ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo : Moraes,

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A; Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP : Papirus, 2000

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António. Os professores e sua formação. Lisboa - Portugal : Dom Quixote, 1992.

PEROTA M. L. L.R., Resgate da Memória da Universidade Federal do Espírito Santo: a fotografia como fonte histórica. Dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação da UFES, 1995

RAMOS, M. N. Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

RANCIERE, J. O mestre ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SANTOS, B.S. Introdução a uma ciência pós-moderna Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS S.P. dos, FERNANDES, M. O. M. ROCHA, S F.M ALEIXO F. Formação de Professores para a Escola do Campo. In: Seminário Gepráxis, Vitória da Conquista –Bahia –Brasil, v. 6, n. 6, p 3605-3622, 2017.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Cortez Ed.e Autores Associados, 1989. (coleção educação contemporânea)

SCHUTZ-FOERSTE, G.M. Leitura de Imagens: um desafio à educação contemporânea, Vitória-ES: EDUFES, 2004).

SCHÜTZ-FOERSTE, G. M. Contribuições de Lukács na pesquisa com imagens na Educação: um breve estudo das categorias trabalho, particularidade e mediação. In: FICHTNER, B.; FOERSTE, E.; SCHÜTZ-FOERSTE, G. M.; LIMA, M. (Org.). Cultura, Dialética e Hegemonia: Pesquisas em Educação. Curitiba: Appris, 2019.

SIMÕES, Vera Lúcia de Oliveira. A Evolução do Ensino de Artes no Espírito Santo: da ‘EBA’- Escola de Belas Artes, 1951 ao Centro de Artes/ UFES, 1971. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação da UFES. Vitória –ES. Defendida 07 de março de 2001.

UFES, Universidade Federal do Espírito Santo Projeto, Pedagógico de Curso Artes Visuais – Licenciatura. Disponível em: http://prograd.ufes.br/sites/prograd.ufes.br/files/field/anexo/ppc_artes_visuais_licenciatura_2019.pdf Acessado em abril 2019.

UFES, Homepage da Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Artes. Disponível em: http://car.ufes.br/. Acessado em abril de 2019.

Publicado
2019-10-03
Como Citar
SCHUTZ FOERSTE, G. M.; CAMARGO, F. M. B. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: mediações na licenciatura em artes visuais. Revista Espaço do Currículo, v. 12, n. 3, 3 out. 2019.