Reconhecimento etnoecológico sobre o tubarão-mangona Carcharias taurus sob a perspectiva de pescadores artesanais da grande Florianópolis-SC, Brasil

Palavras-chave: pesca artesanal, elasmobrânquio, conhecimento ecológico local, extinção local, conservação

Resumo

Estudos com populações tradicionais pesqueiras são importantes fontes de resgate de conhecimento sobre espécies ameaçadas. O tubarão-mangona, Carcharias taurus, está criticamente em perigo (CR) no Brasil. Assim, buscando elucidar aspectos etnoecológicos sobre a espécie e verificar possíveis alterações nas suas populações na Grande Florianópolis, 24 pescadores artesanais especialistas na pesca da espécie foram entrevistados. Demonstramos que a espécie foi amplamente capturada no passado, com evidente declínio das capturas em um curto espaço temporal, demonstrando a suscetibilidade desta espécie frente à sobrepesca. Ressalta-se também que os entrevistados não mais a capturam atualmente. A pesca de C. taurus ocorria em regiões próximas a Ilha de Santa Catarina, corroborando com seus hábitos de vida costeiros. Sua dieta foi descrita como generalista, por consumirem diversas espécies de peixes, raias e lulas. A época de pesca ocorria nos meses de novembro a fevereiro, quando capturavam fêmeas grávidas, coincidindo com a literatura como possível período de reprodução. Contudo, apesar de quase a totalidade dos pescadores reconhecerem o declínio das populações de mangona, somente 55% deles acredita que isso pode gerar problemas ambientais, demonstrando desconhecimento do papel ecológico de um predador de topo de cadeia no ambiente ou baixa intenção na conservação dessa espécie.

Biografia do Autor

Renato Hajenius Aché de Freitas, Universidade Federal de Santa Catarina

I did undergraduate in Biological Sciences; Masters and Ph.D. in Biological Sciences (Zoology). I work in research in the fields of ecology, conservation, animal behavior and physiology of fish, sharks and cetaceans. I worked professionally as Marine Mammals Observer. Postdoctoral two years with conservation of elasmobranchs using molecular markers recently concluded. I am currently a professor of Comparative Physiology and Behavioral Ecology and researcher at UFSC.

Referências

Alan F. 2002. Occurrence of Carcharias taurus in nursery areas of the Eastern and Western Cape, South Africa. Marine Freshwater Reseach 53:551–556.

Arruda R. 1999. “Populações tradicionais” e a proteção dos recursos naturais em Unidades de Conservação. Ambiente Sociedade, 2:79–93.

Bannwart JP. 2014. A pesca artesanal marinha em Santa Catarina. Epagri, Boletim Didático 113:56.

Barbosa-Filho MLV, Schiavetti A, Alarcon DT, Costa-Neto EM. 2014. “Shark is the man!”: ethnoknowledge of Brazil’s South Bahia fishermen regarding shark behaviors. Journal Ethnobiology Ethnomedicine, 10:54.

Barker SM, Peddemors VM, Williamson JE. 2011. A video and photographic study of aggregation, swimming and respiratory behaviour changes in the Grey Nurse Shark (Carcharias taurus) in response to the presence of SCUBA divers. Marine and Freshwater Behaviour and Physiology 2:75–92.

Boni V, Quaresma SJ. 2005. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, 2 (1): 68–80.

Branstetter S, Musick JA. 1994. Age and Growth Estimates for the Sand Tiger in the Northwestern Atlantic Ocean. Transactions of the American Fisheries Society, 123 (2): 242–254.

Bornatowski H, Braga RR, Barreto RP. 2018. Advances in marine vertebrate research in Latin America. Coastal Research Library, 22: 251–262.

Compagno LJ. 1984. Sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. Part 2 - Carcharhiniformes. FAO Fisheries Synopsis 4: 251–655.

Costa L, Chaves P. 2006. Elasmobrânquios capturados pela pesca artesanal na costa sul do Paraná e norte de Santa Catarina, Brasil. Biota Neotropical, 6: 1–10.

Dent F, Clarke S. 2015. State of the global market for shark products. FAO Fisheries And Aquaculture Technical Papers. Rome, 590:196.

Diegues AC, Vieira RS, Silva V, Figols FA, Andrade D. 2000. Biodiversidade e comunidades tradicionais no Brasil. MMA, COBIO, NUPAUB- USP, São Paulo 1: 211.

Drew JA. 2005. Use of traditional ecological knowledge in marine conservation. Conservation Biology 19:1286–1293.

Gelsleichter J, Musick JA, Nichols S. 1999. Food habits of the smooth dogfish, Mustelus canis, dusky shark, Carcharhinus obscurus, Atlantic sharpnose shark, Rhizoprionodon terraenovae, and the sand tiger, Carcharias taurus, from the northwest Atlantic Ocean. Environmental Biology of Fishes, 54:205–217.

Goldman KJ, Branstetter S, Musick JA. 2006. A reexamination of the age and growth of sand tiger sharks, Carcharias taurus, in the western North Atlantic: the importance of ageing protocols and use of multiple back calculation techniques. Environmental Biology of Fishes, 77: 241–252.

Hayata MA, Mayer GB, Soares LE, d’Avila MG, Hornke MF, Freitas RHA. 2018. O grupo dos elasmobrânquios. In: InforMar - Tubarões e Raias, A importância dos elasmobrânquios para a qualidade dos ecossistemas marinhos a partir do conhecimento local. Martins TM, Tomazi AL, Brenuvida WW (Ed.). 1ed. Baía de Tijucas, Editora 3 de Maio, 80p.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. 2011. Proposta de Plano de Gestão para o uso sustentável de Elasmobrânquios sobre-expotados ou ameaçados de sobre-explotação no Brasil. Brasília: 154.

ICMBio- Instituto Chico Mendes da Biodiversidade. 2014. Ministério do Meio Ambiente- Lista nacional oficial de espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção, Peixes e Invertebrados Aquáticos. Diário Oficial da União, Brasil:126–130.

ICMBio-MMA. Instituto Chico Mendes de Biodiversidade. 2018. Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção. 1ed., Brasília: IV- Peixes, 1235p.

Johannes RE, Freeman MMR, Hamilton RJ. 2008. Ignore fishers’ knowledge and miss the boat. Fish and Fisheries, 1:257–271.

Johnson M. 1992. Capturing traditional environmental knowledge, Copyright, Ottawa, 1:94.

Kneebone J, Winton M, Danylchuk A, Chisholm J, Skomal GB. 2018. An assessment of juvenile sand tiger (Carcharias taurus) activity patterns in a seasonal nursery using accelerometer transmitters. Environmental Biology of Fishes, 101(12):1739–1756.

Lack M, Sant G. 2006. World Shark Catch, Production and Trade 1990-2003. Paper to the Technical Workshop on the Conservation and Management of Sharks, Intersessional Shark Working Group of the CITES Animals Committee. Australian Department of the Environment and Heritage and Traffic. Oceania:29.

Lessa R, Vooren DcCMm, Araújo MLG, Kotas JE, Almeida PC, Filho GR, Santana FM, Gadig OB, Sampaio C, Almeida Z, Almeida M, Rosa RS. 2005. Plano nacional de ação para a conservação e o manejo dos estoques de peixes elasmobrânquios no Brasil. Sociedade Brasileira para o Estudo de elasmobrânquios – SBEEL, 1:100

Lucifora L, Menni RC, Escalante H. 2002. Reproductive ecology and abundance of the sand tiger shark, Carcharias taurus, from the southwestern Atlantic. ICES Journal of Marine Science, 59:553–561.

Lucifora LO, García VB, Escalante AH. 2009. How can feeding habits of the sand tiger shark influence the success of conservations programs?. Animal Conservation. 12: 291 – 301.

Pereira B, Diegues A. 2010. Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 22:37–50.

Pollard D, Smith A. 2009. Carcharias taurus. The IUCN Red List of Threatened Species 2009: Disponível em <http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2009-2.RLTS.T3854A10132481.en> Acesso em 31 de outubro de 2018.

Reis-Filho JA, Freitas RHA, Loiola M, Leite L, Soeiro G, Oliveira HHQ, Sampaio CLS, Nunes JACC, Leduc AOHC. 2016. Traditional fisher perceptions on the regional disappearance of the largetooth sawfish Pristis pristis from the central coast of Brazil. Endanger Species Research, 29:189–200.

Silva JT, Braga TMP. 2018. Etnoictiologia de Pescadores Artesanais da Comunidade Surucuá (Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns). Amazônia - Revista Antropológica, 9:238–257.

Souza HS. 1994. O homem da ilha e os pioneiros da caça submarina, 1ed., Florianópolis: Editora Dehon, 322p.

Publicado
2020-02-13
Seção
Artigos