Estrutura do componente herbáceo no campo não inundável de uma restinga, Pernambuco

Autores

  • Eduardo Bezerra de Almeida Jr. Departamento de Biologia/ Universidade Federal do Maranhão
  • Luann Brendo da Silva Costa Universidade Federal do Maranhão http://orcid.org/0000-0003-2973-2961
  • Murielle Andreo Olivo
  • Elcida de Lima Araújo Universidade Federal Rural de Pernambuco http://orcid.org/0000-0002-3379-3540
  • Carmen Sílvia Zickel Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2236-1480.2020v28n1.50205

Resumo

A escassez de dados sobre a estrutura do estrato herbáceo na fisionomia campo dificulta a compreensão do arranjo e dinâmica das comunidades, da diversidade e dos padrões de distribuição das espécies entre diferentes ambientes. Diante disso, o presente estudo objetivou caracterizar a estrutura do componente herbáceo da fisionomia campo em uma área de restinga. As coletas foram realizadas na Reserva Particular do Patrimônio Natural Nossa Senhora do Outeiro de Maracaípe, em Pernambuco. Para a amostragem da comunidade herbácea foi utilizado o método de parcelas, sendo consideradas integrantes do estrato herbáceo as plantas não lenhosas com caule verde que possuíam altura entre 0,15 e 1m. Foram amostradas 29 espécies, 22 gêneros e nove famílias, totalizando 1.062 indivíduos. As famílias com maior riqueza foram Poaceae, Cyperaceae, Fabaceae, Euphorbiaceae e Rubiaceae. As espécies de maior VI foram Paspalum maritimum, Cuphea flava, Eleocharis geniculata, Stigmaphyllon paralias, Rhynchospora barbata e Stylosanthes viscosa. O Índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 2,414 e o Índice de Equabilidade de Pielou (J’) encontrada foi de 0,717. Pode-se concluir que as espécies P. maritimum, R. barbata e S. paralias destacaram-se no arranjo estrutural da fisionomia campo e que a vegetação apresentou espécies com ampla distribuição no Brasil.

Biografia do Autor

Murielle Andreo Olivo

Bióloga

Downloads

Publicado

2021-02-27