[1]
O. Vasconcelos, “Reduto de travestis: das origens fabris ao repositório de imaginários de um bairro amazônico”, SRH, vol. 24, nº 41, p. 426-440, dez. 2019.