Seleção de Artigos para o dossiê Trabalho coletivo autogestionário na América Latina

2020-05-04

Edital n. 02/2020 - Seleção de Artigos para o dossiê temático Trabalho coletivo autogestionário na América Latina: virtudes, fragilidades e ambiguidades das lutas por outros modos de reproduzir a vida. (volume 19, n.2, 2020).

 

Organizadores(as):

 

Edson Caetano

Flávia Almeida Pita

Ibrahin Amhed León Tellez

José Raimundo Oliveira Lima

Raúl Gonzalez Meyer

 ___________________________________________________________

  1. Objetivo

 

Pelo presente edital, convidamos os pesquisadores das diversas áreas do conhecimento que estudam o Trabalho a encaminhar artigos, individuais ou em coautoria, para o 2º número da Revista da ABET de 2020. Serão selecionados artigos que tratem do trabalho coletivo autogestionário na América Latina sob as perspectivas relacionadas na apresentação abaixo.

 

  1. Apresentação do tema

 

Economia Social, Alternativa, Solidária, Economia Popular Solidária, Trabalho Associado: a multiplicidade de expressões indicia a difícil tarefa de compreender o lugar, os sentidos, o potencial e as armadilhas que tais arranjos produtivos, que partem da ideia central de trabalho coletivo popular e autogestionário, assumiram nas últimas décadas.

Por um lado, tais experiências têm sido apontadas como caminho para a construção e fortalecimento de relações econômicas e experiências de produção que contradizem a lógica hegemônica do capitalismo. Têm como traços característicos centrais, não obstante sua heterogeneidade, a organização de coletivos de trabalhadores que pretendem atuar de forma autogestionária, fora da lógica da exploração do trabalho pela apropriação da mais-valia, assumindo como valores centrais a solidariedade (em oposição ao individualismo e competitividade das práticas hegemônicas) e a ressignificação do trabalho como potencializador de uma vivência e uma subjetividade emancipadora e comunitária.

De outra mão, no quadro de crise da sociedade do trabalho[1], o discurso e as práticas da Economia Popular Solidária são muitas vezes compreendidas como consequências e cúmplices dos arranjos do capital na busca de alternativas para a absorção de um volume cada vez maior de trabalhadores inadequados ou expelidos do modelo de proletariado estável, este próprio em galopante destruição. Confundindo-se com o discurso e com as políticas que levam os seus signos, identificamos, por exemplo, elementos da “nova razão do mundo” neoliberal, marcadas pela generalização da ideia de concorrência como norma de conduta e da empresa como modelo de subjetivação[2].

Ainda sob outro prisma, o tema se conecta às tentativas de compreensão do trabalho no “subdesenvolvimento” – e para nós aqui importa, em especial, o mundo do trabalho na América Latina. As experiências que se têm sob mira coincidem em grande parte com outro conjunto conceitual multidenominado: Economia Invisível, Subalterna, Periférica, Popular, Setor/Mercado/Trabalho Informal, Informalidade. Se agora o mundo “desenvolvido” hoje também lida com a “Nova Informalidade”[3], para nós, latino-americanos/as,  ela pode ser vista tanto como uma marca secular do desigual processo de distribuição de riquezas e de trabalho em sociedades marcadas pela espoliação colonial, quanto também aponta para formas de resistência e para a sobrevivência de modos de sociabilidade e de reprodução da vida que não se renderam totalmente à lógica da mercadoria e do valor (ressalte-se, como exemplo eloquente, as vivências alternativas de reprodução da vida[4] dos povos originários latino-americanos ou dos/as africanos/as escravizados).

O objetivo do Dossiê que ora se propõe, assim, é reunir reflexões, preferencialmente interdisciplinares, que, a partir da pesquisa e da extensão,  tangenciem esta parcela significativa do mundo do trabalho latino-americano, no intuito de, ao contribuir para a compreensão de suas experiências, também reunirmo-nos aos que buscam criar ou enlarguecer as fissuras que deixam entrever um “mundo que existe como ainda-não”[5].

 

  1. Cronograma

Lançamento do edital

01.03.2020

Data limite de submissão de artigos

31.08.2020

Avaliação dos artigos pelos pares

01.09.2020 a 31.10.2020

Prazo máximo para comunicação aos autores para ajustes

10.11.2020

Publicação em versão eletrônica (previsão)

15.12.2020

 

  1. Critérios de Seleção

Os artigos devem seguir estritamente as orientações da Revista da ABET, descritas no seguinte link: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/abet/about/submissions

  1. Serão aceitos artigos em português, espanhol e inglês.
  2. Os artigos que atenderem as normas estabelecidas neste edital serão submetidos para avaliação pelo método double blind (sem identificação dos autores e com parecer de dois especialistas).c. Serão selecionados os artigos que obtiverem melhor classificação pelos pareceristas, buscando priorizar a diversidade de enfoques, métodos e perspectivas teóricas.
  3. Os artigos devem ser submetidos pelo site da Revista da Abet: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/abet/index.

Obs.: A Revista continua a receber artigos sobre os mais diversos temas relacionados ao mundo do trabalho em fluxo contínuo.

 

Secretaria da Revista da ABET: revistadaabet@gmail.com (Tiago Cardoso)

 

01 de março de 2020

 

Presidente da ABET:

Patrícia Vieira Trópia

 

Equipe Editorial

Adalberto Moreira Cardoso

Maria Aparecida Bridi

Ana Paula D’Avila

Mariana Bettega Braunert

 

[1] ANTUNES, Ricardo. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

[2] DARDOT, Pierre. LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

[3] PÉREZ-SÁINZ, J. P. Globalización y neoinformalidad en América Latina. Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 135, p. 36-41, jan./fev. 1995.

[4] AGUILAR, Raquel Gutiérrez. Horizontes comunitario-populares: producción de lo común más allá de las políticas estado-céntricas. Madrid: Traficante de Sueños, 2017.

[5] HOLLOWAY, John. Fissurar o Capitalismo. São Paulo: Publisher Brasil, 2013.