Aufklärung: revista de filosofia https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf <p><em><strong>Aufklärung, revista de filosofia</strong></em> (Qualis B1, DOI 10.18012/ARF) tem foco na publicação de artigos na área de filosofia, ou que sejam relevantes para a pesquisa em filosofia. Tem como&nbsp; objetivos: a) contribuir para a formação acadêmica de profissionais de filosofia [ensino e pesquisa] e áreas afins; b) contribuir para a efetivação de políticas da área de filosofia, ao propiciar a divulgação de resultados originados a partir de pesquisas filosóficas voltadas para a pós-graduação com base em princípios éticos tranparentes; e c) constituir-se como um espaço aberto para o debate entre pesquisadores do Brasil e do exterior.</p> Aufklärung: Journal of Philosphy pt-BR Aufklärung: revista de filosofia 2358-8470 <p><strong>Política de Direito Autoral para os itens publicados pela Revista:</strong></p><p>1.Esta revista é regida por uma Licença da Creative Commons aplicada a revistas eletrônicas. Esta licença pode ser lida no link a seguir: <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_blank">Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)</a>.</p><p>2.Consonante a essa politica, a revista declara que os autores são os detentores do copyright de seus artigos sem restrição, e podem depositar o pós-print de seus artigos em qualquer repositório ou site.</p><p><strong>Política de Direito de Uso dos Metadados para informações contidas nos itens do repositório</strong><br />1. Qualquer pessoa e/ou empresa pode acessar os metadados dos itens publicados gratuitamente e a qulquer tempo.<br />2.Os metadados podem ser usados sem licença prévia em qualquer meio, mesmo comercialmente, desde que seja oferecido um link para o <strong>OAI Identifier</strong> ou para o artigo que ele desceve, sob os termos da licença CC BY aplicada à revista.</p><p>Os autores que têm seus trabalhos publicados concordam que com todas as declarações e normas da Revista e assumem inteira responsabilidade pelas informações prestadas e ideias veiculadas em seus artigos, em conformidade com a Política de Boas Práticas da Revista.</p> Percepção e Imaginação em Husserl: da coisa “ela própria” à reprodução por “semelhança” https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/55023 <p>O presente artigo tem como objetivo analisar as peculiaridades das sínteses de preenchimento intuitivo dos atos intencionais na percepção e na imaginação, apoiando-se nas <em>Investigações Lógicas </em>(1901) de Husserl. Se na percepção a coisa é apreendida diretamente “ela própria” (ainda que em diferentes momentos), na imaginação, a coisa visada originariamente é substituída por um “<em>analogon</em>” que lhe é mais ou menos semelhante (trata-se do fenômeno da reprodução na imaginação por “semelhança”). Ao final, o artigo compara a consciência perceptiva à consciência imaginante, opondo-as aos atos intencionais meramente significativos (nos quais encontramos apenas uma consciência de sinal, sem qualquer preenchimento intuitivo).</p> Carlos Diógenes Côrtes Tourinho Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 11 20 10.18012/arf.v7i3.55023 A gênese da intuição do outro e a formação da comunidade transcendental: a questão da intersubjetividade em Husserl https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/53823 <p>Este artigo objetiva examinar a gênese da intuição do outro e como ocorre a formação da comunidade transcendental, ou seja, investigar a questão da intersubjetividade em Husserl. A fenomenologia evoca a primazia do estudo eidético, tomando as essências no mais alto nível de pureza intencional. No sistema redutivo fenomenológico, o <em>ego</em> pode se autoexplicar de maneira rigorosa e revelar a si mesmo sua estrutura de possibilidade do conhecimento. Mostra-se que, Husserl, para não se cair no solipsismo, adota uma nova perspectiva de abordagem do sistema redutivo (<em>epoché</em> abstrativa), que proporciona identificar as estruturas transcendentais das relações com os outros sujeitos. Evidencia-se que, ao intencionar o outro, na perspectiva transcendental, o eu se depara com uma estrutura pura de vinculação, que lhe permite a constituição de um mundo comum, ou seja, o sentido da coletividade. Portanto, a fenomenologia, proporciona, agora desde novas bases, a constituição do eu transcendental e sua realidade concreta, como mônada, e ao descrever a questão da intersubjetividade, enquanto comunidade dos sujeitos, como fundamento da transcendência, emancipa-se do solipsismo e completa o sistema redutivo.&nbsp;</p> Marcos Alexandre Alves Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 21 32 10.18012/arf.v7i3.53823 Themata e Paradigmas: dois conceitos epistemológicos distintos, mas com relações https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/52344 <p>Apesar de nunca ter apresentado um conceito suficientemente preciso de thema/themata, Gerald Holton teve desde sempre a preocupação de alertar para a possível confusão entre os themata e diversas outras entidades que, podendo em alguns aspetos assemelhar-se aos themata, são, contudo, de natureza e de funcionamento distintos e como tal devem ser consideradas. É neste contexto de delimitação que surgem os paradigmas, de Thomas Kuhn, relativamente aos quais Gerald Holton sempre fez questão de contrapor os seus themata. Neste artigo apresenta-se uma análise comparativa que identifica diferenças essenciais mas também relações entre estes dois importantes conceitos da epistemologia do século XX, um inscrito numa epistemologia continuista (os themata) e outro epistemologicamente descontinuista (os paradigmas).</p> João Barbosa Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 33 42 10.18012/arf.v7i3.52344 Considerações sobre a natureza da experiência perceptiva https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/55680 <p>Neste artigo apresentarei e discutirei a teoria dos dados dos sentidos, o intencionalismo e o disjuntivismo em suas versões puras, isto é, segundo as quais a natureza da experiência perceptiva é fundamentalmente uma questão dos dados dos sentidos, do conteúdo intencional e da relação perceptiva, respectivamente. Para isso, tratarei de alguns dos principais argumentos que sustentam essas teorias e de algumas críticas feitas a elas. Em face dos problemas que elas enfrentam, nenhuma delas parece oferecer um relato satisfatório para a natureza das experiências perceptivas.</p> Daniel Borgoni Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 43 56 10.18012/arf.v7i3.55680 Considerações sobre a ação como negociação https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/52011 <p>Nosso objetivo neste artigo é investigar as possibilidades de pensar o conceito de “ação” aproximando-o da noção de “negociação”, retomando assim o próprio significado da palavra <em>práxis</em>. Partimos de uma crítica da noção arendtiana de ação como “iniciativa”, apontando suas bases metafísicas. Procurando nos distanciar de uma compreensão de “ação” muito presa à tradicional metafísica da subjetividade, isto é, a ação como livre-iniciativa de um sujeito racional e consciente, recorremos a Espinosa e Ortega y Gasset. As noções de afetividade e de circunstância, no sentido amplo em que tais pensadores as empregam, nos ajudam a pensar a “ação” como negociação entre multiplicidades de circunstâncias que se afetam mutuamente de muitas maneiras. Por fim, exploramos algumas consequências ético-políticas de uma tal concepção de ação.</p> Diogo Bogéa Marcio Francisco Teixeira de Oliveira Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-12-04 2020-12-04 7 3 57 68 10.18012/arf.v7i3.52011 Direitos humanos: por uma cidadania autogestionária https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/54236 <p>O ensaio move-se em torno aos sinais do tempo presente, moldados, figurativamente, por densa cerração a obscurecer a visão crítica dos fins e dos meios ético-políticos da civilização tecnológica. No mesmo passo, intenciona refletir acerca dos Direitos Humanos, de modo projetivo para a invenção futura de uma cidadania de caráter autogestionário. A construção encontra-se demarcada pelo <em>fim das ilusões</em>, de certo modo, ainda à sombra dos cacos do <em>ethos </em>antigo, figurados por anacronismos, que insistem em reaparecer de modo espectral na forma de dificuldades, aparentemente, sem resolução de encaminhamento para a época atual. Para tanto, o ensaio recorre a passagens das filosofias moderna e contemporânea, de par com a poesia, o cinema e o teatro, de modo a sustentarem a defesa da teoria e da prática de uma tal cidadania. Pensada, modelarmente, desde a experiência autogestionária da Comuna de Paris, como etapa destacada de sua produção.</p> Antonio José Romera Valverde Luiz Carlos Montans Braga Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 69 84 10.18012/arf.v7i3.54236 Kant y el dilema de la anticipación de la infinitud https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/56033 <p>En este artículo exploraremos las dimensiones lógicas de las llamadas Anticipaciones de la percepción de la <em>Crítica de la razón pura</em> en el orden dialogar con las posibilidades que se abren desde ahí con la obra tardía de Kant, especialmente el <em>Opus postumum</em>. Para ello, discutiremos la composición de las Anticipaciones en su contexto narrativo específico, para luego vincular esa composición con las observaciones de las <em>Prolegomena </em>sobre el carácter formal y material de las mismas y, finalmente, pensar el problema de la anticipación de las magnitudes infinitas en el <em>Opus</em>.</p> Angelo Narváez Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-12-12 2020-12-12 7 3 85 98 10.18012/arf.v7i3.56033 Sartre: o existencialismo em torno da morte https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/55296 <p>O tema da morte sempre esteve presente na história da filosofia e também está nos textos existencialistas de Sartre. A principal obra que trata da morte é: “O ser e o nada” de 1943, no qual se concentra esse artigo. Nesta obra a morte é vista como limite para a nadificação. Contudo destaca-se também, a importante concepção do existencialismo ateu na obra “O existencialismo é um humanismo”, no qual a morte é apresentada como fim, sem as perceptivas de pós-morte do cristianismo. Ainda tratar-se-á do texto “A náusea”, como forma de pensar a morte e sua absurdidade. O tema do absurdo também é descrito na obra “O ser e o nada”, e é a primeira chave de leitura para esse fenômeno do limite da vida, mas que ainda é vida. Um último tema a abordar, e nem por isso menos importante, é o ser-para-outro, a concepção da minha morte encarada pelo outro, e como esse outro reage e fundamenta, em certo sentido, minha própria morte.</p> Vanessa Furtado Fontana Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 99 110 10.18012/arf.v7i3.55296 A relação entre o princípio da não maleficência e o utilitarismo na ética de Peter Singer https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/52313 <p>Este artigo analisa a interpretação de Renzo Llorente de que a obra Libertação Animal, de Peter Singer, não tem sua estrutura moral baseada no utilitarismo, mas no princípio da não-maleficência. O artigo analisa criticamente essa interpretação e busca responder os problemas levantados. Consideramos de que maneira essa interpretação não se sustenta quando a ética de Singer é compreendida em seu conjunto e não apenas a partir de uma única obra. Porém, defendemos, neste artigo, apesar de a proposta ética de Libertação Animal tenha aspectos do princípio da não-maleficência, a obra se mantém utilitarista na medida que o princípio de não causar danos se fundamenta e se justifica por razões utilitaristas.</p> <p><strong>Palavras-chave: ética, utilitarismo, não-maleficência, animais.</strong></p> Wesley Felipe de Oliveira Camila Dutra Pereira Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-12-04 2020-12-04 7 3 111 132 10.18012/arf.v7i3.52313 Cinema em Lukács: a atmosfera psíquica em movimento https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/52408 <p>O artigo dialoga com o debate empreendido por Lukács sobre cinema. Para esse autor, o filme é fruto de uma classe de reflexo que duplica a mimese. Opta-se, metodologicamente, por um estudo de caráter teórico-bibliográfico em que se opera uma leitura imanente de parte da <em>Estética</em> do húngaro. Sob tais orientações, a comunicação tematiza os principais pontos pelos quais Lukács ergue seu entendimento sobre a arte cinematográfica: 1) relação com o desenvolvimento da técnica; 2) autenticidade cinematográfica; 3) tendência a minimizar a objetividade indeterminada: labilidade e elasticidade; 4) atmosfera psíquica; 5) “linguagem” cinematográfica. A exposição entende que o cinema, embora tenha nascido como um produto do capitalismo desenvolvido, guarda a contradição de possuir elevado nível de realismo, ao mesmo tempo em que pode trafegar as mais tacanhas ideologias burguesas.</p> José Deribaldo Gomes dos Santos Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 133 146 10.18012/arf.v7i3.52408 Ensaio “Sobre Sujeito e Objeto” de Theodor Adorno como trânsito à sua Teoria Crítica https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/53082 <p>É propósito deste trabalho apresentar considerações sobre as teses presentes no conjunto de 12 partes que compõe o texto <em>Sobre Sujeito e Objeto,</em> de Theodor Adorno, relacionando a posição do autor com sua linha biográfica, marcada pelos acontecimentos históricos, bem como pelo itinerário do pensamento filosófico, elementos estes que pautaram a construção de sua teoria crítica. Para tanto, iniciamos com algumas considerações sobre a forma e o conteúdo do texto <em>Sobre Sujeito e Objeto</em>. No segundo momento apresentaremos uma chave de leitura, enquanto possibilidade de organização do texto por seu autor, passando então, a nos deter em cada uma das 12 partes, buscando, além das teses de cada uma das partes, apresentar a interlocução de Adorno com as epistemologias que lhe servem de apoio ao debate em questão. Finalizamos apontando o pessimismo adorniano ao constatar que a força, que tanto se esperou da consciência, não foi suficiente para fazê-la autônoma, pois, ao contrário das promessas iluministas, a racionalidade perde o controle e se desprende de si mesma, convertendo-se verdadeiramente em degeneração da consciência crítica, esvaziando, assim, a condição autônoma do sujeito.</p> Cleidson de Jesus Rocha Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 147 158 10.18012/arf.v7i3.53082 Heidegger: técnica e esquecimento do ser https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/55972 <p>Trata-se de circunscrever o sentido do fenômeno da técnica no horizonte do pensamento de Heidegger e sua crítica à metafísica clássica. Para tanto, em um primeiro momento apresentamos o fenômeno da técnica no âmbito de sua leitura dessa metafísica em sua essência: <em>o esquecimento do ser</em>. Em um segundo momento, apresentamos, nos limites de nosso texto e de modo mais particular, dois acenos descortinadores da essência do fenômeno em questão. O primeiro no nexo <em>téchne</em>, verdade e liberdade e o segundo no nexo técnica, ciência e metafísica. Para, então, concluir com uma breve chamada de atenção acerca do que podemos guardar como o legado básico do pensamento de Heidegger acerca dessa central questão para nós da era tecnológica atual.</p> José Ricardo Barbosa Dias Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-11-28 2020-11-28 7 3 159 168 10.18012/arf.v7i3.55972 Atividade e Condição Humana em Hannah Arendt https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/54586 <p>Gostaríamos de demonstrar neste ensaio que é possível estabelecermos uma relação de proximidade entre Arendt e Marx acerca dos conceitos de “vida activa” e “condição humana”, a despeito das críticas de Arendt à Marx na obra <em>A Condição Humana</em>. Sustentaremos que Marx e Arendt partem de uma concepção do homem como um ser ativo. Arendt se ancora no conceito de <em>energeia </em>em Aristóteles, e Marx no conceito de “atividade” do Idealismo Alemão. Ambos procuram ultrapassar o predomínio da contemplação sobre a ação. Além deste pressuposto comum, Marx, ao contrário do que diz Arendt, mas em acordo com sua perspectiva, estabelece uma distinção entre “obra”, associada ao trabalho útil produtor de valor de uso, e trabalho, pensado não como metabolismo com a natureza, como diz Arendt, mas como trabalho sob as condições capitalistas de produção. Com efeito, argumentamos que a ideia de ser ativo na sua tripla articulação com a obra, o trabalho e a ação teorizada por Arendt, prolonga a perspectiva de Marx. Sob esta ótica, o conceito de inversão, isto é, a reversão da hierarquia entre contemplação e ação, é fundamental para determinados o quanto Arendt prolonga a perspectiva de Marx.</p> Romildo Gomes Pinheiro Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-12-13 2020-12-13 7 3 169 190 10.18012/arf.v7i3.54586 Johann Gottlieb Fichte, la educación y la interculturalidad https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/57588 <p>Esta investigación trata de realizar un análisis crítico y comparativo de la propuesta educativa del filósofo alemán Johann Gottlieb Fichte (1762-1814); quien manifiesta un vivo interés por la educación y la política, con la pretensión de recuperar y liberar a la nación alemana de los extranjeros. Según Fichte, una educación auténtica consiste en que los estudiantes deben ser alejados del mundo de los adultos para vivir en una morada más pura, donde aprendan a vivir con honor y sean capaces de inventar máquinas y herramientas. No son importantes las palabras y el debate en el espacio público. En contraste, se analiza la propuesta de Hannah Arendt, quien considera que toda educación debe despertar la opinión y la participación ciudadanas en el espacio público. El estudiante no debe ser alejado del mundo para fabricar y vender (homo faber); al contrario, debe aprender a pensar por sí mismo y actuar de manera concertada. En este sentido, los discursos contemporáneos sobre la interculturalidad, mediante un diálogo de saberes, constituyen una alternativa de paz y armonía entre las diferentes culturas.</p> Gerardo Miguel Nieves-Loja Copyright (c) 2021 Aufklärung: revista de filosofia 2020-12-13 2020-12-13 7 3 191 202 10.18012/arf.v7i3.57588 A ressignificação da cultura a partir da revolução científica: um estudo a partir da fenomenologia de Michel Henry https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/arf/article/view/52802 <p>O presente artigo tem como objetivo descrever a cultura como manifestação da vida originária, a barbárie como resultado da chegada da revolução científica moderna e a ressignificação da vida e da cultura a partir dessa objetividade do ser. Partimos da teoria de Michel Henry de que a vida se manifesta de forma originária e absoluta, em sua sensibilidade, constituindo a cultura e a arte como manifestações concretas da vida em suas diferentes formas elementares. Porém, com a chegada da ciência, a subjetividade foi sendo objetivada levando ao esquecimento da vida e a decadência cultural, o que originou a barbárie. Na obra <em>A Barbárie,</em> Henry descreve essa mudança radical ocorrida com a revolução científica em que a cultura e a vida foram ressignificadas. Assim, pretendemos descrever essas novas concepções a partir de uma proposta fenomenológica e a possibilidade de um retorno a vida e a sensibilidade originária que foram esquecidas pela sua objetivação.</p> Janessa Pagnussat Silvestre Grzibowski Copyright (c) 2020 Aufklärung: revista de filosofia 2020-12-01 2020-12-01 7 3 203 212 10.18012/arf.v7i3.52802