Violência contra as mulheres e a mediação do/a bibliotecário/a - Centro Estadual de Referência da Mulher Fátima Lopes

  • Maria Cristiana Felix Luciano Universidade Federal da Paraíba
  • Gisele Rocha Côrtes Universidade Federal da Paraíba

Resumo

A violência doméstica, que atinge mulheres cotidianamente, constitui um problema social e uma violação dos direitos humanos. A ausência de informações oficiais a respeito da dinâmica das violências e o perfil das mulheres recebidas em órgãos de atendimento configura-se como um desafio no planejamento de políticas públicas condizentes com as necessidades das mulheres. Considerando que o acesso à informação pode contribuir para a redução da violência e para a produção de novos conhecimentos, essa proposta objetiva apresentar o Centro Estadual de Referência da Mulher Fátima Lopes/Campina Grande (CERMFL), órgão de atendimento específico às mulheres em situação de violência. O trabalho mapeia o perfil das mulheres, com foco na: faixa etária, caracterização étnico-racial, situação conjugal, renda, cidade, relação com o/a autor/a da violência, local de ocorrência, e tipo de violência sofrida. De tipo descritiva e abordagem quantitativa, a pesquisa utilizou-se de fontes documentais, mais especificamente, as fichas de atendimento do ano de 2015. Para a análise dos dados, lançou-se mão da estatística descritiva. Por meio das informações estatísticas produzidas, verifica-se que a violência contra mulheres demanda ações intersetoriais para o fortalecimento das mulheres e o rompimento com a situação de violência. Constata-se que o tratamento, a produção e a disseminação de informações estatísticas oficiais são indispensáveis para o aprimoramento das políticas públicas voltadas para a prevenção e a erradicação da violência e da violação dos direitos humanos.

Biografia do Autor

Maria Cristiana Felix Luciano, Universidade Federal da Paraíba
Graduada em Biblioteconomia
Gisele Rocha Côrtes, Universidade Federal da Paraíba
Doutora em Sociologia Professora do DCI-PPGCI-UFPB

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Mediação da informação: ampliando o conceito de disseminação. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Gestão da informação e do conhecimento no âmbito da Ciência da Informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008. p. 41-54.

ARAÚJO, Eliany Alvarenga de. Informação, cidadania e sociedade no Brasil. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 2, n. 1, p. 42-49, jan./dez. 1992.

BARRETO, Aldo de Albuquerque. A questão da informação. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.8, n.4, 1994.

BARSTED, L. L. O avanço legislativo no enfrentamento da violência contra as mulheres. In: LEOCADIO, E.; LIBARDONI, M. (Orgs.). O desafio de construir redes de atenção ás mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006. p. 65-90.

BRASIL. Lei nº. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em:<https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/95552/lei-maria-da-penha-lei-11340-06>. Acesso em: 13 nov. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Rede de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011.

BRASIL. Senado Federal. Comissão Parlamentar Mista de Inquérito. Relatório Final. Brasília, 2013.

CAMPOS, M. L.; ALMEIDA, G. H. M. D. Violence against women: a relation between sub-jective dimension sand the production of information. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, v. 15, n. 2, 2017. Disponível em: <http://www.brapci.inf.br/v/a/27487>. Acesso em: 12 nov. 2017.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, 2003.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CÔRTES, G. R.; LUCIANO, M. C. F.; DIAS, K. C. O. A informação no enfrentamento à violência contra mulheres: Centro de Referência da Mulher “Ednalva Bezerra”: relato de experiência. Biblionline, João Pessoa, v.8, p.134-151, 2012. Edição especial.

COSTA, M. F. O.; Almeida Júnior, O. F. Os conceitos de estudos de usuários e a visão do bibliotecário no processo de mediação da informação. In: CAVALCANTE, L. E.; PINTO, V. B.; VIDOTTI, A. B. G. (Orgs.). Ciência da Informação e Contemporaneidade: tessituras e olhares. Fortaleza: Edições UFC, 2012.

CRIPPA, G. O pensamento da diferença e a mediação da informação institucional em bibliotecas públicas: considerações teóricas sobre mediação de gênero. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 4, n 1, 2011. Disponível em: <http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewfile/46/83>. Acesso em: 13 nov. 2017.

ESTUDOS aponta melhoria na renda das mulheres no Brasil. Diário da Amazônia, 26 abr. 2015. Disponível em:<http://www.diariodaamazonia.com.br/estudo-aponta-melhoria-na-renda-das-mulheres-brasil>. Acesso em: 13 nov. 2017.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nelida. As Ciências Sociais e as Questões da Informação. Morpheus: Revista Eletrônica em Ciências Humanas, Rio de janeiro, ano 9, n. 14, 2012.

HERMANN, J. A violência contra a mulher em números; dificuldades e desafios. In: LEOCADIO, E.; LIBARDONI, M. (Orgs.). O desafio de construir redes de atenção ás mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006. p. 91 – 112.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, B.H. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LEANDRO, A. U. F. Implementação de políticas públicas e desafios ao enfrentamento da violência contra a mulher. In: SEMANA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA: REPENSANDO A TRAJETÓRIA DO ESTADO BRASILEIRO, 2., 2014, São Carlos. Anais... São Carlos, SP: UFSCar, 2014. Disponível em:<http://www.semacip.ufscar.br/wp-content/uploads/2014/12/Implementa%C3%A7%C3%A3o-de-pol%C3%ADticas-p%C3%BAblicas-e-desafios-ao-enfrentamento-da-viol%C3%AAncia-contra-a-mulher.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Nas redes do conceito de gênero. In: LOPES, M. J. D.; MEYER, D. E.; WALDOW, V. R, (Orgs.). Gênero e saúde. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1996.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

MARTELETO, Regina Maria; RIBEIRO, Leila Beatriz. Informação e construção do conhecimento para a cidadania no terceiro setor. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 11, n. 1, 2001.

MATOS, M. Feminismo. In: Dicionário Feminino da Infâmia: Acolhimento e Diagnóstico de Mulheres em Situacão de Violência. FLEURY-TEIXEIRA, E.; MENEGHEL, S. (Orgs.) Dicionario Feminino da Infâmia. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2015.

MINAYO, M. C.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementariedade? Caderno de Saúde Pública, São Paulo, v. 9, n. 3, p. 239-262, 1993.

MORIGI, Valdir José; VANZ, Samile Andréa de Souza; GALDINO, Karina. O bibliotecário e suas práticas na construção da cidadania. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Santa Catarina, v. 7, n. 1, 2002.

NASCIMENTO, D. M; MARTELETO, R. M. A informação construída nos meandros dos conceitos da Teoria Social de Pierre Bourdieu. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.5, n.5, out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2017.

NEGRAS são maiores vítimas de homicídio de mulheres no país. Portal Brasil, 30 out. 2015. Disponível em:<http://www.brasil.gov.br/defesa-e-seguranca/2015/11/mulheres-negras-sao-mais-assassinadas-com-violencia-no-brasil>. Acesso em: 12 nov. 2017.

ODALIA, N. O.O que é violência. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

OLINTO, Gilda. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, 2011.

PANORAMA da violência contra mulheres no Brasil: indicadores nacionais e estaduais. Brasília: Senado Federal, 2016. Disponível em:<http://www.senado.gov.br/institucional/datasenado/omv/indicadores/relatorios/BR.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2017.

SAFFIOTI, H. I. B. Violência de gênero: lugar da práxis na construção da subjetividade. Lutas Sociais, São Paulo, n. 2, p. 59-79, 1997.

SANTOS, Y. G. A implementação dos órgãos governamentais de gênero no Brasil e o papel do movimento feminista: o caso do Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo. Cadernos Pagu, Campinas, n. 27, jul.∕dez. 2006.

SARDENBERG, C. M. B. Educação escolar um instrumental importante para o empedramento de mulheres?In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL: TRILHAS DO EMPODERAMENTO DE MULHERES, 1., 2006, Salvador. Anais... Salvador: NEIM/UFBA, 2006.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Educação & Sociedade, Porto Alegre, v.16, 1990, p. 5-22.

SILVA, L. L.; COELHO, E. B. S. CAPONI, S. N. C. Violência silenciosa: violência psicoló-gica como condição da violência física doméstica. Interface: comunicação, saúde, educação, Florianópolis, v. 11, n. 21, p. 93-103, jan./abr. 2007.

SILVEIRA, L. P. Serviços de atendimento a mulheres vítimas de violência. In: DINIZ, S. G; SILVEIRA, P. L.; MIRIN, L. A. L. (Orgs.). Vinte e cinco anos de respostas brasileiras em violência contra a mulher: alcances e limites. São Paulo: Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, 2006, p. 45-77.

SOUZA, Maria da Paixão Neres. Abordagem inter e transdisciplinar em ciência da informação. In: TOUTAIN, L. M. B. B. (Org.). Para entender a ciência da informação. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 75-90.

TARGINO, Maria das Graças. Biblioteconomia, Informação e Cidadania. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 149-160, jul./dez. 1991.

TELES, M. A. A; MELO, M. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2003.

WAISELFIZ, J. J. Mapa da violência 2013: Homicídio e Juventude no Brasil. Brasília: Flacso, 2013. Disponível em:< http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_homicidios_juventude.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2017.

WAISELFIZ, J. J. Mapa da violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil. Brasília: Flacso, 2015. Disponível em: <http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2017.

WERNECK, J.; NILZA, I. (Coord.) A situação dos direitos humanos das mulheres negras no Brasil: violência e violações. São Paulo: Geledés; Rio de Janeiro: Criola, 2016. Disponível em:<https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2016/11/Dossie-Mulheres-Negras-PT-WEB3.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2017.

Publicado
2018-06-11
Seção
RELATOS DE PESQUISA