Para uma cooperação da escuta e do movimento: Estudo intercultural sobre a percepção dos ritmos tradicionais do culto xangô (Olinda, PE)

  • Jean-Pierre Estival CREM-CNRS
  • Emmanuel Bigand LEAD-CNRS
  • Farid Matallah Universidade da Borgonha

Resumo

Através da combinação de abordagens de Etnomusicologia e Cognição Musical, o artigo se propõe a verificar se a capacidade de indivíduos perceberem e realizarem a marcação apropriada de ritmos musicais, a partir da escuta de trechos correspondentes, é influenciada pela movimentação de seu corpo. Pretende-se verificar também em que medida as variáveis "competência musical" (sujeitos "músicos" e "não-músicos") e "origem cultural" (sujeitos "brasileiros" e "franceses") influenciam tal capacidade. Trazemos elementos para responder estas questões através da aplicação, em Recife, Brasil, e em Dijon, França, no ano de 2008, de um protocolo experimental concebido para este fim. Os ritmos musicais empregados no experimento fazem parte da tradição musical e religiosa do culto afro-brasileiro xangô, tal como praticada em Olinda (PE).

Biografia do Autor

Jean-Pierre Estival, CREM-CNRS
é pesquisador do Centre de Recherches en Ethnomusicologie (CREM), instituição de pesquisa ligada ao Laboratório de Etnologia e Sociologia Comparada (LESC) do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica), Paris, França. Realizou no Brasil pesquisas sobre os Asurini do Xingu, tema de sua tese de doutorado. Desde o início dos anos 2000, vem realizando pesquisas sobre músicas afro-brasileiras na região litorânea de Pernambuco.
Emmanuel Bigand, LEAD-CNRS
é pesquisador do LEAD – Laboratório de Estudos da Aprendizagem e do Desenvolvimento, unidade de pesquisa da Universidade da Borgonha e do CNRS, França, e professor da mesma universidade. Sua área de pesquisa é a Psicologia Cognitiva da Música, tendo publicado dezenas de artigos sobre o tema.
Farid Matallah, Universidade da Borgonha
é Mestre em Psicologia Cognitiva pela Universidade da Borgonha, França.
Publicado
2013-02-01
Edição
Seção
Artigos