Circulação de informação e cultura na modernidade: das técnicas analógicas às técnicas digitais de reprodução

Autores

  • Arthur Coelho Bezerra Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2014v9n2.22492

Resumo

A comunicação investiga os diferentes lugares sociais percorridos por bens culturais e recursos informacionais na modernidade, ou seja, desde que foram concebidos como mercadorias no bojo do processo de industrialização a partir do século XVIII. Para chegar a uma análise do trânsito desses bens, proponho empreender um rastreamento histórico que leve em consideração os diferentes lugares sociais que lhes foram imputados ao longo dos dois últimos séculos. A digressão histórica contempla dois importantes momentos do avanço tecnológico: a passagem do século XIX para o século XX – considerada por Walter Benjamin a “época das técnicas de reprodução das obras de arte” e por Adorno e Horkheimer, o momento de nascimento da “indústria cultural” – e a passagem do século XX para o século XXI, que achei por bem chamar de época das técnicas digitais de reprodução – não só de obras de arte, vale frisar, mas também de outros conteúdos literários e audiovisuais. Como resultado final, pretendo mostrar como o lugar social da cultura e da informação em nossa história recente é resultante dos arranjos políticos e econômicos que se coadunam com os princípios liberais inscritos nas revoluções burguesas que inauguram o período moderno, e que se mantêm como sustentáculos de nossa cultura até os dias atuais.

Palavras-chave: TIC. Bens culturais. Modernidade.

 

Link para o texto completo (PDF)

http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/view/144/185

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Coelho Bezerra, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Doutor em Sociologia. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Publicado

2014-12-30

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos