Re-interpretando os objetos de museu: da classificação ao devir

Autores

  • Bruno Brulon Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2017v12n1.34295

Resumo

O presente texto tem o objetivo de introduzir uma reflexão sobre os enquadramentos tradicionalmente impostos aos objetos de museu questionando a sua sustentação empírica na Contemporaneidade. A vida museal do objeto, que acontece dentro ou fora das instituições formais, é produtora de diferentes enquadramentos classificatórios e informacionais. Estes, por vezes, os estigmatizam ligando-os às categorias criadas socialmente e que são cada vez mais percebidas como suplantáveis pelas Ciências Contemporâneas. Por meio de uma revisão bibliográfica detalhada, o artigo chama a atenção para uma mudança de percepção sobre os musealia em função, principalmente, de dois fenômenos distintos, quais sejam: (1) o novo sentido conferido ao objeto artístico pela Arte Contemporânea, atuando na reordenação dos enunciados sobre os objetos e os valores neles investidos; e (2) o advento dos ecomuseus, que relegam ao segundo plano do discurso museal os objetos materiais voltando-se para a musealização das relações do humano com o seu meio. Em ambos os casos, as categorias classificatórias que comportam os objetos nos museus tradicionais são perturbadas levando à concepção de uma nova categoria de pensamento que propomos chamar de objeto-devir.

Palavras-chave: Classificação. Informação. Museologia. Objeto-devir. Objetos de museu (musealia).

Link: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/2643/2232

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Brulon, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Centro de Ciências Humanas e Sociais, Departamento de Estudos e Processos Museológicos

Publicado

2017-05-29

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos