Guided inquiry e construtivismo: novos métodos de aprendizagem e a biblioteca escolar

Autores

  • Maria L. Amorim Antunes UFMG
  • Adriana Bogliolo Sirihal Duarte UFMG

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2017v12n1.34507

Resumo

Em uma realidade cada vez mais caracterizada pela presença da tecnologia, muito se tem refletido sobre os rumos da educação e da biblioteca escolar. Como existe uma estreita vinculação da biblioteca à instituição em que está inserida e hoje a realidade das escolas e de suas bibliotecas opera especificamente na lógica dos nativos digitais, este artigo se propõe a discorrer sobre novos parâmetros de educação, ensino e pesquisa em um contexto educativo pautado pela Internet, dentro da lógica construtivista. Para tanto, descreve-se as peculiaridades de uma instituição privada de ensino de Belo Horizonte (MG), investigada através de métodos etnometodológicos com técnicas de observação e entrevistas, e confronta-se o comportamento informacional de seus alunos com as contribuições de Carol Kuhlthau. Reflete-se sobre a viabilidade de novas propostas de prática bibliotecária e métodos de aprendizagem. Conclui-se que em tempos em que se fala do caráter pedagógico da biblioteca e do bibliotecário-educador as pesquisas se mostram dirigidas cada vez mais para modelos de competência informacional. Palavras-chave: Construtivismo. Pesquisa escolar. Guided inquiry. Biblioteca escolar. Link: http://www.revistas.usp.br/berev/article/view/112156/116764

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria L. Amorim Antunes, UFMG

Mestra em Ciência da Informação pela Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais.

Adriana Bogliolo Sirihal Duarte, UFMG

Doutora em Ciência da Informação pela Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Professora associada da Escola de Ciência da informação da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.

Publicado

2017-06-21

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos