Taxonomia de distorções contábeis

  • José Humberto da Cruz Cunha Universidade de Brasília
  • Rogério Henrique de Araújo Junior Universidade de Brasília

Resumo

Discute o uso de uma taxonomia de distorções contábeis provenientes de erros e fraudes, voltada para o uso dos auditores na análise dos riscos e escolha dos procedimentos de auditoria. Sua elaboração segue as orientações conceituais da classificação facetada, por meio de levantamento conceitual em pesquisa bibliográfica. A taxonomia apresentada possui como categorias fundamentais as fases da informação, aspectos essenciais, afirmações, ciclos de recursos, subciclos de recursos, distorções contábeis e afirmações (objetivos de auditoria). É apresentada a metodologia de elaboração da taxonomia, bem como a sua aplicabilidade na auditoria contábil como instrumento de organização da informação e do conhecimento. Conclui que, a partir dos exemplos utilizados, é possível afirmar que a taxonomia orienta a análise das distorções como uma trilha de auditoria, padronizando os conceitos identificados na linguagem natural em uma estrutura de classificação padronizada.

Palavras-chave: Gestão da Informação. Organização e Representação da Informação. Linguagem Documentária. Taxonomia. Auditoria Contábil. Gestão do Conhecimento.

Link: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2017v22n49p127/34051

Biografia do Autor

José Humberto da Cruz Cunha, Universidade de Brasília
Doutorando em Ciência da Informação – UnB.
Rogério Henrique de Araújo Junior, Universidade de Brasília
Professor da Faculdade Ciência da Informação – UnB
Publicado
2017-10-04
Seção
Resumos de artigos científicos