TICS: resistência das mulheres negras.

Autores

  • Thaís Pereira da Silva Escola de Ciência da Informação da Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2018v13n1.39453

Resumo

As Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) trouxeram várias transformações para a sociedade nas últimas décadas. As mudanças mais relevantes para a pesquisa estão relacionadas às identidades culturais e às formas de organização e mobilização social das classes subalternas e movimentos sociais, e principalmente, a produção e disseminação de informação –conteúdo simbólico – pelos grupos excluídos das narrativas das mídias hegemônicas como as mulheres negras. É crescente a consciência entre o grupo que a atual ordem mundial – mundo globalizado impulsionado pelas TICs – requer novas formas de atuação contra o racismo, o machismo e a exploração de classe. Neste sentido, a proposta da pesquisa é analisar quais são as estratégias utilizadas pelas mulheres negras brasileiras para descontruir o discurso racializado, sexista e classista, com a apropriação das TICs. Partir­se­á da análise do site Blogueiras Negras e iniciativas que têm que qualificam mulheres negras para o desenvolvimento de novas tecnologias. Os principais autores utilizados na pesquisa bibliográfica são Stuart Hall, bell hooks, Sueli Carneiro.

Palavras chave: Mulheres negras. Redes digitais. Tecnologias da Informação e Comunicação.

Link: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/757

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Pereira da Silva, Escola de Ciência da Informação da Universidade de São Paulo.

Formada em Jornalismo e atua como Gerente de Mídias Sociais. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação pela ECA/USP.

Publicado

2018-06-28

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos