Cordel brasileiro: proposta de uma nova tipologia no Código de Catalogação Anglo-americano

Resumo

  1. A descrição física e temática é um desafio para o catalogador, seja em ambientes de arquivo, biblioteca ou museu, pois envolve uma série de informações intrínsecas ao cabedal simbólico inerente no documento. A Arquivologia, a Biblioteconomia e a Museologia foram embrionariamente tuteladas pela história e/ou pela arte. De espaços de acumulação e de salvaguarda, acrescem a essas áreas o viés tecnicista como característica demarcatória de cientificidade. Atualmente, pautadas numa sociedade considerada da informação, o conceito de documento é ressignificado assim como as práticas dessas áreas que se situam numa propositura sócio-educativa, centradas na disponibilização, disseminação e democratização. Essa amplitude permite outras possibilidades no campo da representação, que estabelece a conexão entre documento e o termo/conceito. Nesse contexto, insere-se o cordel. Tratados como folhetos, percebe-se que os formatos técnicos do Código de Catalogação Anglo-Americano não atendem sua complexidade descritiva. Assim, o objetivo é propor a atualização deste código quanto à configuração da representação física do cordel brasileiro, ancoradas na seguinte problemática: quais elementos de descrição são necessários para atender as especificidades deste documento? A abordagem utilizada foi quanti-qualitativa; a pesquisa foi descritiva, exploratória, bibliográfica e documental. Os dados coletados foram: um mil e quarenta e quatro cordéis e catálogo do acervo da biblioteca de Obra Raras Átila Almeida; usou-se registros oriundos de entrevistas ocorridas com pesquisadores de cordel e poetas populares, no período compreendido entre 2006 e 2018, na tentativa de exaurir ao máximo esse complexo documento.Essa investigação, resultado de doutoramento, estabeleceu trinta campos de descrição, atendendo as necessidades representativas do cordel brasileiro e, nessa direção, respondeu a problemática inicialmente lançada. Nesse processo, para além da perspectiva técnica, constatou-se que o cordel é brasileiro configura-se como um tipo de documento não identificado e expresso no AACR2. Por isso, advogou-se para a sua inclusão como nova tipologia no Código de Catalogação Anglo-Americano.

Biografia do Autor

Manuela Eugênio Maia, Universidade Estadual da Paraiba

http://lattes.cnpq.br/6925135164773452

Professora assistente (desde 2007) no curso de Arquivologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Doutora em Ciência da Informação (2018), mestra em Educação (2004), graduada em Biblioteconomia (2006) e Pedagogia (1999) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Publicado
2018-09-13
Seção
Artigos de revisão