Cotas empregatícias, paralimpíadas e diversidade na inclusão das pessoas com deficiência na cidade do Rio de Janeiro

  • Marcelo Cortes Neri Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Resumo

Testou-se a diversidade da inclusão trabalhista das pessoas com deficiência (PCDs) no Rio de Janeiro desde 2000, período após a regulamentação da lei de cotas empregatícia e objeto da realização de megaeventos paradesportivos na cidade. Revelaram-se movimentos diferenciados dos diferentes grupos de PCDs ao longo do tempo. A primeira década apresenta ganhos da ocupação formal para o conjunto das PCDs adultas cariocas, mas queda para as pessoas com deficiência intelectual (PCDIs). Coincidentemente, nesse intervalo as PCDIs estiveram excluídas da paralimpíadas. Nos anos 2010, a ocupação formal cresceu quatro vezes mais para os PCDIs que para as demais PCDs. Os incrementos foram maiores nas empresas cujo tamanho obriga a aplicação da lei de cotas. Já no período pós-olímpico observa-se queda maior do emprego formal dos PCDs e em especial dos PCDIs. De maneira geral, a primeira década do milênio foi de conquistas trabalhistas para as PCDs, mas perdida para as PCDIs, enquanto a segunda década foi, pelo menos até 2016, particularmente favorável ao último grupo.

Palavras-chave: Deficiência. Deficiência intelectual. Cotas. Paralimpíadas. Rio 2016.

Link: http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/4032/3368

Biografia do Autor

Marcelo Cortes Neri, Fundação Getúlio Vargas (FGV)
Doutor em Economia pela Princeton University (Princeton) - Estados Unidos. Professor e Diretor do Centro de Política Sociais (CPS) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) ‒ Rio de Janeiro, RJ ‒ Brasil.
Publicado
2018-11-19
Seção
Resumos de artigos científicos