Panorama da dissertação a família ocupacional “arquivistas e museólogos”: posicionamento na classificação brasileira de ocupações e perfil de emprego

  • Thiara dos Santos Alves Centro de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ)
  • Helena Maria Tarchi Crivellari Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG)

Resumo

O artigo é uma apresentação geral da dissertação de mestrado intitulada A Família ocupacional “Arquivistas e Museólogos”: posicionamento na Classificação Brasileira de Ocupações e perfil de emprego. O objetivo geral do estudo foi contribuir para uma reflexão crítica sobre o posicionamento dos Arquivistas e dos Museólogos, na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), a fim de apoiar o aperfeiçoamento deste instrumento classificatório, possibilitando que o uso da CBO, nas estatísticas de trabalho, possa revelar efetivamente o perfil de emprego de cada um destes profissionais. A fundamentação dissertação foi feita através dos aportes teóricos da Sociologia das Profissões; da trajetória sócio-histórica dos Arquivistas e dos Museólogos; das interfaces entre a Arquivologia, a Museologia e áreas interdisciplinares; e dos estudos sobre o mercado de trabalho dos Arquivistas, dos Museólogos e da Família ocupacional “Arquivistas e Museólogos”. A abordagem metodológica utilizada foi qualitativa e quantitativa; o nível de interpretação dos objetivos foi do tipo descritivo e explicativo; e as técnicas de pesquisa utilizadas foram pesquisa documental e pesquisa bibliográfica. Os resultados da pesquisa apontam que: “Arquivistas e Museólogos” pertencem à mesma Família ocupacional por motivos pragmáticos, por inexpressividade numérica e pelo uso, mesmo que adaptado, da Classificação Internacional Uniforme de Ocupações, de 1988, como referência para a elaboração da CBO; para ser uma ferramenta útil, as informações da CBO precisam estar atualizadas com a realidade de trabalho destes profissionais; a partir dos dados da Relação Anual de Informações Sociais, pode-se inferir certo perfil de quem são e onde estão empregados formalmente os 2.652 “Arquivistas e Museólogos”; os dados agregados pouco revelam sobre o perfil de emprego de cada profissional e dificulta a viabilização de propostas de políticas públicas de formação e emprego para Arquivistas e Museólogos, por isso, é latente a necessidade de melhor conhecer o mercado de trabalho destes profissionais de forma desagrupada.

Palavras-chave: Classificação Brasileira de Ocupações. Arquivistas. Museólogos. Relação Anual de Informações Sociais.

Link: http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica/article/view/209/115

Biografia do Autor

Thiara dos Santos Alves, Centro de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ)
Doutoranda em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia e Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT-UFRJ), Mestre em Ciência da Informação e graduada em História e Arquivologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Arquivista do Centro de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ).
Helena Maria Tarchi Crivellari, Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG)
Professora da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG) e do PPGCI/UFMG; Pós-Doutora pela Universidad Carlos III de Madrid (UC3M); Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com Doutorado Sandwich pelo Institut d’Étude du Développement Économique et Social (IEDES) e Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne, Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).
Publicado
2018-11-19
Seção
Resumos de artigos científicos