Internet e o direito ao esquecimento digital

Autores

  • Nathalie Mallet-Poujol Université de Montpellier,Faculté de Droitet Science Politique,Montpellier,France

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2019v14n3.47802

Resumo

O rastreamento do indivíduo se reveste doravante de uma faceta inédita com os sites participativos ou colaborativos, tais como blogs, fóruns de discussão, plataformas de vídeos e redes sociais. A exposição dos dados pessoais com ou sem anuência dos interes sados é também decorrente de práticas jornalísticas, com o advento da imprensa eletrônica. Partindo dessas constatações, o artigodiscute, na perspectiva do Direito, da Comunicação e da Arquivologia, as tensões e os problemas decorrentes do direito de acesso à informação e o direito à vida privada. Problematiza a questão do direito ao esquecimento nas suas diferentes dimensões e modalidades operacionais no mundo digital. Apresenta as regulamentações da França e da União Europeia e discute alguns exemplos concretos. Conclui que o “calcanhar de Aquiles” da internet permanece sendo da proteção dos dados pessoais e que a vulnerabilidade do indivíduo é agravada pela disseminação viral das informações na rede, destacando a importância da autorregulação, a necessidade de uma política de informação e esclarecimento dos internautas, de campanhas de sensibilização e de mecanismos de inalização das violações. Aponta, igualmente, para a necessidade de uma política de segurança e de tratamento de dados pessoais, visando, principalmente, os prazos de difusão online, a indexação, o referenciamento e a gestão dos arquivos. Palavras-chave: Direito ao esquecimento. Internet. Dados pessoais. União Europeia. http://periodicos.unb.br/index.php/RICI/article/view/12649/18570

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2019-09-09

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos