Práticas informacionais de presas grávidas

Autores

  • Andreza Gonçalves Barbosa UFMG
  • Adriana Blogliolo Sirihal Duarte UFMG

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2019v14n3.48014

Resumo

O artigo apresenta um estudo das práticas informacionais de presas grávidas do Centro de Referência à Gestante Privada de Liberdade da cidade de Vespasiano – Região Metropolitana de Minas Gerais, no qual objetivo é compreender por as práticas informacionais das apenadas, em particular suas estratégias para buscar, acessar, se apropriar e partilhar a informação. A pesquisa apresenta caráter exploratório e natureza qualitativa. As técnicas de coleta de dados incluem observação participativa e entrevistas semiestruturadas. Para análise dos dados foram criadas categorias através da técnica de codificação com modelo misto (com categorias a priori derivadas de modelos teóricos e categorias a posteriori inferidas a partir dos dados coletados nos relatos das presas, através de indução e análise de conteúdo).  Os resultados apontam que as apenadas se preocupam em obter informações sobre suas penas e acerca da saúde dos filhos, assim como procuram saber notícias dos companheiros, os quais na maioria das vezes estão presos. No que tange à leitura, muitas relataram que gostariam de ter acesso a leituras que remetessem ao universo prisional, sobretudo questões de direito.

Palavras-chave: Práticas informacionais. Presas gestantes. Estudos de usuários.

Link: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1051


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreza Gonçalves Barbosa, UFMG

Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Adriana Blogliolo Sirihal Duarte, UFMG

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais.

Publicado

2019-09-09

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos