Mulheres negras não foram feitas para carregar livros: tensionamento e resposta social em rede na feira Pan-amazônica do livro no Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.0vn0.53046

Resumo

Este trabalho analisa a repercussão social do cartaz do “Salão do Livro da Região Sul e Sudeste do Pará”, evento da Feira Pan-Amazônica do Livro de 2018, para compreender como o processo de resposta social (BRAGA, 2006) impôs uma mudança institucional por parte da Secretaria de Cultura do Estado. O país homenageado foi a Colômbia e a peça de divulgação destacava uma mulher negra carregando livros na cabeça, representação das palenqueras. O fato gerou repercussão nas redes sociais e na mídia local e nacional. Os protestos voltaram-se contra a reiteração de uma imagem que inferioriza as mulheres negras, reproduzindo colonialidades de gênero, poder e saber. O corpuscompõe-se de postagens no Facebooke de matérias jornalísticas veiculadas em abril de 2018. Duas técnicas metodológicas foram usadas: a netnografia (RECUERO, 2012; KOZINETS, 2014) e a aplicação de um questionário online, por meio do Facebook Whatsapp.

Palavras-chave: Feira Pan-Amazônica do Livro do Pará. Resposta Social. Ativismo Digital. Racismo Institucional. Colonialidade.

Link: http://revista.ibict.br/fiinf/article/view/4848

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosaly de Seixas Brito, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Professora da Faculdade de Comunicação (Facom) e do Programa de Pós-graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCom), da Universidade Federal do Pará. Líder do grupo de pesquisa Comunicação, Política e Amazônia (Compoa) e membro do grupo de pesquisa Observatório de Comunicação, Culturas e Resistências na Pan-Amazônia

Lorena Esteves, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutoranda do Curso de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia, da Universidade Federal do Pará (PPGCOM/UFPA). Integrante do grupo de pesquisa Comunicação, Política e Amazônia (Compoa) e do grupo de pesquisa Observatório de Comunicação, Culturas e Resistências na Pan-Amazônia.

Jússia Ventura, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutoranda do Curso de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, da Universidade Federal do Pará (PPGSA/UFPA) e Professora do curso de Comunicação Social, da UFPA. Integrante do grupo de pesquisa Interações e Tecnologias na Amazônia (ITA) e do grupo de pesquisa Comunicação, Consumo e Identidade (Consia).

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos